Mostrando postagens com marcador Tudo Por Um Beijo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tudo Por Um Beijo. Mostrar todas as postagens

domingo, 17 de abril de 2016

Tudo Por Um Beijo

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Série Noivas Virgens



Um peão perigoso e destemido

Ele era o que Tiffany sempre desejara: forte, inteligente, charmoso e simplesmente irresistível. King Marshall era o próprio amor personificado, e ela faria qualquer coisa para passar o resto de sua vida com ele. O grande problema era que King acreditava que casamento tinha sido inventado apenas para os tolos...
Uma garota encantadora
Ela era jovem, belíssima, simpática e... muito inexperiente. King Marshall era bem mais velho, cético e desiludido com a vida para se deixar levar por histórias de amor com finais felizes. Ele só não contava com a tenacidade e com a determinação de Tiffany em levá-lo ao altar.

Capítulo Um

Tiffany o avistou a distância, montando Thunder, o imenso garanhão negro que já havia matado um homem. Ela odiava aquele animal, um cavalo matador, mas respeitava muito o cavaleiro, King Marshall, da mesma maneira que a maioria das pessoas que moravam em Jacobsville, Texas. A família de King tinha ido morar nas proximidades do rio Guadalupe, há muito tempo, na época da guerra civil, numa fazenda chamada Lariat, que agora pertencia a ele.
Nessa época do ano, em plena primavera, era muito comum vê-lo no lombo do garanhão recolhendo o gado, cavalgando atrás de alguma rês desgarrada, ou mesmo marcando os animais. King, apesar de ter uma empresa com o pai de Tiffany, onde se negociava terras e gado, quase não saia da fazenda e os empregados da cidade praticamente não o viam. O rebanho de King era tão grande que, nesse ano, ele havia comprado um helicóptero que estava sendo usado para conduzir o gado até os inúmeros currais. Tiffany adorava ficar de longe, vendo o helicóptero voando em baixa altitude, fazendo o trabalho de, pelo menos, dez vaqueiros.
Conduzindo seu cavalo, Dream, ao lado da cerca de arame farpado Tyffany se aproximou um pouco mais de onde King se encontrava sempre cuidadoso, jamais permitiria que se aproximasse muito, ainda mais quando a tarefa executada por ele e pelos peões era a de marcar o gado.
Ela deu um profundo suspiro e ajeitou a blusa de seda cor-de-rosa que usava. Depois foi a vez de ajeitar a calça jeans azul e as botas negras de cano alto. Tiffany gostava de andar impecável, mesmo quando estava cavalgando. E ainda, com King nas proximidades, a vontade dela de se mostrar muito mais bonita e elegante se transformava quase numa obsessão.
Tiffany voltou a suspirar. Não, não custava nada sonhar e imaginar-se nos braços de King. Se isso um dia acontecesse, se conseguisse conquistá-lo, seu pai Harrison, ficaria muito feliz e daria todo apoio a ela pois, além de sócios. os dois homens eram muito amigos. O difícil seria fazer King. sempre muito cerimonioso, sempre muito misterioso, se interessar por uma garota tão jovem Nos últimos . tempos, este tinha sido o grande dilema de Tiffany. Se pelos menos fosse. mais velha. Porém, depois de muito refletir a respeito do assunto, ela chegou à conclusão de que poderia sim, conquistá-lo. Afinal era muito bonita e inteligente. Mas para que isso acontecesse, precisava mudar algumas coisas em sua aparência tão juvenil. E Tiffany tomou uma decisão: cortaria os longos cabelos negros. No entanto, quando chegou o dia que se propusera a ir à cabeleireira, a coragem lhe faltou. Adorava aqueles cabelos que emolduravam-lhe o rosto oval, de pele bem clara, e que contrastavam com seus olhos verdes. E como seria possível ficar sem os longos cabelos negros que esvoaçavam ao vento quando cavalgava? Aquela cabeleira fazia parte dela, como fazia parte o sorriso que quase não lhe saia dos lábios e a vontade de viver. Harrison Blair viva dizendo que a filha era a personificação da alegria e da felicidade e que, em tudo, lembrava-lhe a esposa.
Depois de voltar atrás, de decidir que não cortaria os cabelos, Tiffany se propôs conquistar King de outra maneira. Por que teria de parecer mais velha? Não, iria conquistá-lo apesar da idade, e do distanciamento que aquele homem que a fascinava fazia questão de manter. De uma coisa tinha certeza: chegaria o dia em que King Marshall passaria a vê-la como uma mulher, não como a irmãzinha mais jovem. Mas como fazer para que isso viesse a acontecer? Tiffany não sabia.


Série Noivas Virgens
1- Tudo Por Um Beijo
2- Razões do Coração
3- Um Amor Para Sempre

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Tudo Por Um Beijo

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Quando Elizabeth conheceu Jed Carrel, seu cunhado, sentiu antipatia imediata, achando-o impetuoso e arrogante. 

Mas, quando Jed lhe deu o beijo de boas vindas, que deveria ser casto e fraternal, sentiu como se um vulcão despertasse dentro dela, fazendo seu corpo ansiar de amor e desejo pelo cunhado! 
Ele partiu imediatamente e foi viver sua própria vida no exterior, ficando ausente pro alguns anos. Só voltou quando Elizabeth ficou viúva... Por que teria voltado? Para lhe dar o amor há tanto tempo esperado? Ou para acusá-la de traição ao marido? 


Capítulo Um 

Elizabeth Carrel entrou em casa com uma raquete de tênis sob o braço. Era outro dia quente de agosto. O calor e o esforço a tinham deixado exausta, e por isso se encostou, cansada, na porta de madeira. 
— É você, Elizabeth? A voz feminina e madura tinha um tom autoritário. Tirando o cabelo preto e grosso do rosto, Elizabeth afastou-se da porta, andando com seus tênis pelos ladrilhos do hall. 
— Sim, Rebecca — respondeu ela, sem olhar-se no antigo espelho que estava pendurado na parede do hall. 
Na porta da sala, seus olhos verdes fixaram-se na mulher sofisticada e elegante que estava ali. O cabelo grisalho bem cortado brilhava sob o chapéu de verão, enfeitado de flores azuis, em combinação perfeita com o vestido azul-claro de flores opacas, bem talhado, para mostrar a figura magra da mulher mais idosa. Um broche de ametista e safiras era a única jóia que ela usava. Uma bolsa bege, que combinava com os sapatos, estava sobre a mesa de carvalho. 
— Pensei que você já tivesse saído para o almoço — comentou Elizabeth. 
— Já devia ter ido — respondeu Rebecca Carrel. A voz suave trazia um tom de censura. — Mas mandei sua filha para o quarto, para se arrumar para a aula de música, e até agora ela não desceu. Talvez fosse melhor você ver o que ela está fazendo. Elizabeth sorriu para a sogra. 
— Sim, eu vou ver. A escada que levava ao andar superior começava no hall. Seus tênis quase não faziam barulho nos degraus de madeira, que ainda brilhavam. Na porta do quarto da filha, Elizabeth parou e bateu. A ação trouxe um curioso sorriso aos seus lábios. 
Não pela relutância de entrar no quarto de Amy sem permissão, mas por causa do silêncio exigido pela atmosfera formal da casa. Depois de ouvir a voz dentro do quarto, ela entrou. Havia compreensão em seus olhos quando Elizabeth olhou para a figura que estava à janela. Percebeu um ar de revolta naquela figura. 
— Olá, Amy. Ela se virou, ao ouvir a voz da mãe, mostrando desagrado nos olhos castanhos. 
— Mamãe, eu preciso ir à aula hoje? Não posso faltar ao menos uma vez? Se eu estivesse doente, você não me obrigaria a ir. Seu impulso foi de concordar, mas Elizabeth entrou no quarto em silêncio. Sua filha já era muito rebelde para que lhe desse motivos para briga. 
— Acho que é melhor você ir à aula hoje. Haverá outros dias em que você precisará faltar, por termos algo mais importante para fazer — explicou. 
— Tenho certeza — disse Amy, abertamente. 
— Sua avó está esperando lá embaixo. 
— Eu sei. — Ela concordou, com um sorriso forçado. 
— Eu odeio essas aulas, mamãe! A sra. Banks me obriga a fazer a mesma coisa milhares de vezes e eu odeio isso. Além disso, lá é tão quente!
 

domingo, 10 de novembro de 2013

Tudo Por Um Beijo

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Cupidos 




“Seja minha amante por um mês.” 

Bilionário e solteiro, Conner Macafee sabe seu valor, e está pronto para fazer um acordo. 
A abelhuda repórter Nichole Reynolds quer que ele, o dono da melhor agência de encontros de Nova York, abra o jogo para uma matéria? 
Ele contará tudo, assim que ela estiver em sua cama. 
Nichole precisa desse furo, mas Conner é tão arrogante, tão convencido, tão... sexy! 
Ela poderia suportar um mês nos braços de um playboy bonitão na suíte de uma cobertura... por sua carreira, claro! 
Porém, basta um beijo para Nichole perceber que cometeu um grande erro. 
Agora ela quer tanto a história quanto o homem...

Capítulo Um 

Conner Macafee estava acostumado com repórteres xeretando a vida de sua família. 
Seu tio-avô fora confidente de John F. Kennedy, e a família de Conner era considerada da realeza da política e dos negócios americanos. 
Claro, eles sempre tiveram mais do que suas cotas de escândalos, o que sempre garantira o interesse da imprensa. 
Mas Nichole Reynolds, a repórter social do jornal America Today, estava mergulhando nessa história de uma maneira totalmente nova. 
Ela entrara de penetra na festa de Quatro de Julho da família dele, em Bridgehampton, e estava se esforçando ao máximo para se misturar, mas até agora só conseguira mesmo se destacar. 
Ela tentara se enturmar fingindo estar enfastiada, assim como os dignitários e celebridades da festa. Mas Conner não pôde deixar de reparar nela deslumbrando-se com o modelo e jogador de polo Palmer Cassini mais de uma vez. 
Conner estudara com Palmer e sabia que ele era um festeiro divertido e cativante. Ele era um atleta dedicado, mas também um cara muito engraçado. 
Conner considerava-o um de seus melhores amigos, mas Palmer não estava tão interessado quanto a jornalista ruiva. 
Ele sabia por que Nichole estava ali. 
Ele recusara inúmeros pedidos de entrevistas dela e dos chefes dela, e entendia que ela era amiga de Willow Stead, produtora do reality show Sexy e Solteiros que envolvia sua empresa, a Matchmakers, Inc. 
Com a exibição do programa, Nichole pretendia escrever uma série de artigos sobre o serviço de encontros fundado pela avó de Conner. 
Mas ele nunca confiara em jornalistas, e nunca falava com eles. Era por isso que ele tinha um gerente de marketing para cuidar da sua publicidade e da imprensa.
— Quem é ela, Conner? — perguntou sua mãe, Ruthann Macafee, aproximando-se dele. 
— Quem? — perguntou ele, desviando o olhar de Nichole.
Ele repetiu para si mesmo que seu único interesse era vigiar a repórter. 
E não aquele cabelo ruivo exuberante que caía sobre os ombros dela em ondas, ou aquele impressionante vestido curto. 
Porém, ele sabia que estava mentindo para si mesmo. 
Ele a desejava e, se tivesse noção da quão poderosa aquela atração seria, já teria agendado uma entrevista com ela em seu escritório há muito tempo. 
— A mulher que você não para de encarar. Eu não a reconheço e suspeito que ela não frequenta os nossos círculos — A mãe dele tinha 65 anos, mas parecia ser pelo menos 15 anos mais jovem, graças a um estilo de vida ativo. 
Ela pertencia a uma liga de tênis e possuía uma organização de caridade. 
Nunca fora o tipo de mulher de ficar sentada em casa, e Conner a admirava por isso. Quando um acidente de avião tirara a vida do pai dele e revelara um segredo que teria destruído qualquer outra mulher, ela soubera lidar com tudo à sua maneira discreta e forte. 
— Nichole Reynolds, repórter — informou Conner. 
— Minha nossa. Imagino o que ela esteja fazendo aqui. — Ele percebeu um tom de medo na voz de sua mãe. 
Ela não gostava de jornalistas e tinha bons motivos. Ele colocou um braço ao redor dos ombros dela e abraçou-a rapidamente. 
— Ela quer me entrevistar por causa daquele reality show em que estou envolvido. 
— Sério? E você vai aceitar? É tão embaraçoso falar da vida pessoal — Conner sorriu diante da atitude da mãe. 
Dizer que ela era das antigas tratava-se de um grande eufemismo. 
— Estou ciente disso — disse ele, inclinando-se para dar um beijo na testa dela. 
— Acho melhor me livrar dela antes que ela arranje algum problema para nós. 
— Boa ideia. Quer que eu peça para Darren acompanhá-la até a saída? Aliás, como ela conseguiu entrar?






Série Cupidos
1- Prontos Para o Show 
2- Tudo por um Beijo
3- Não tem ebook