Mostrando postagens com marcador Série Paternidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Série Paternidade. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Mamãe sem Querer

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Paternidade
Um bebê a caminho... Um casamento forçado

A oportunidade de ter uma noite com Pierce Donellan era mais do que qualquer mulher podia desejar. E Natalie não era exceção. 
Apaixonada por Pierce desde a adolescência, não pôde mandá-lo embora quando ele bateu à sua porta. Mas não considerara as possíveis consequências...
Quando soube que Natalie estava grávida, Pierce insistiu no casamento, apesar de ele ter certeza de que jamais poderia lhe dar amor. 
Porém, manter-se imune ao charme e à sedução de Natalie estava ficando cada vez mais difícil!

Capítulo Um

Natalie Brennan saía de casa quando o relógio da sala de jantar deu a badalada de meia hora. Atônita, percebeu que exatamente doze horas haviam se passado desde que abrira a mesma porta na noite anterior. Meio-dia e, mesmo assim, o impacto daquelas horas em sua vida era incomensurável. Nada jamais seria o mesmo.
Se tivesse atendido ao primeiro impulso e ignorado a campainha, aquela seria apenas mais uma segunda-feira e seus pensamentos estariam voltados para as semanas que viriam, com os preparativos para o Natal, as montagens teatrais infantis da época e as outras atividades da escola. Mas haviam tocado a campainha novamente, com mais insistência, e ela, percebendo tardiamente as luzes acesas e as cortinas abertas, não pudera fingir não estar em casa. Relutante, levantara-se.
— Quem é? — indagou, impaciente.
Abriu a porta e arrepiou-se com o ar frio da noite, apesar do suéter cor de vinho que usava com a calça legging preta. Uma rajada de vento mais forte jogou mechas de seu cabelo castanho-escuro contra o rosto em forma de coração.
— O que...
Interrompeu-se e arregalou os olhos castanhos quando a luz do corredor banhou a figura alta e masculina parada junto aos degraus.
— Oi, Nat.
Apesar da familiaridade da voz, Natalie precisou piscar várias vezes para convencer-se de que estava vendo com clareza.
— Pierce?
Foi só o que conseguiu pronunciar. Chocada, sentiu o cérebro anestesiado, incapaz de raciocinar. Dez anos antes, também abalara-se ao ver Pierce Donellan e, desde então, nunca fora capaz de racionalizar qualquer coisa relacionada a ele.
Pierce ainda tinha o poder de deixá-la emudecida. O impacto de sua presença masculina era letal a qualquer esperança de compostura. Mesmo vestido informalmente, como naquele momento, de calça jeans, camiseta branca e jaqueta de couro preta, com o cabelo preto desarranjado devido ao vento, ele ainda exercia o magnetismo masculino que a deixava confusa e sem ação.
— Não vai dizer nada, Nat? — A voz fria vinha acompanhada de um tom sarcástico, do qual ela lembrava-se bem. — Não parece você. Lembro-me de que sempre tinha muitas opiniões e era entusiasmada em partilhar seus pontos de vista.
— Você me pegou de surpresa... Não esperava vê-lo aqui.
Era verdade. Já se convencerá, havia muito, de que Pierce Donellan nunca seria parte de sua vida e, se uma parte mínima de seu coração ainda nutria a esperança tola de que pudesse ser diferente, a notícia que agitara a cidadezinha no mês anterior pusera uma pedra sobre o assunto.
— A que devo a honra da visita?
Pierce riu, matreiro, levemente envergonhado com o tom mal humorado, deixando-a ainda mais vulnerável. Após acreditar que o perdera para sempre, Natalie não conseguia suprimir a alegria por vê-lo ali. Mesmo assim, o realismo dizia-lhe que, se se expusesse novamente, se o deixasse entrar em sua vida mais uma vez, só se magoaria.
— Acreditaria se eu dissesse que estava só passando?
— De jeito nenhum.
Ainda sem saber como agir, Natalie tentou endurecer o coração, sabendo de antemão que era uma tentativa vã. Mais um sorriso daqueles e estaria acabada.
— Você também não poderia estar passando pela rua Holme a caminho de algum lugar, pois trata-se de um beco sem saída, e quanto a...



Série Paternidade
1- Pai por Acaso
Série Concluída

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Amante Acidental

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Paternidade




O playboy e o bebê!

Lisa não havia planejado se apaixonar. 

Talvez nada tivesse acontecido, se ela não houvesse aceitado o convite para acompanhar Angus Hamilton em uma viagem por um mundo diferente, glamouroso e com um estilo de vida sofisticado. 
Tornou-se uma amante acidental, acabando "acidentalmente grávida". 
Só que Angus estava mais interessado em aproveitar a vida do que em formar uma família. Mas, de repente, um homem que estava mais acostumado a abrir garrafas de champanhe do que a trocar fraldas viu-se preparando a chegada do filho... E adorando cada minuto! Teria a paternidade transformado o dedicado playboy em um marido perfeito?

Capítulo Um

Chovia muito naquele dia. Lisa Freeman ajustou o pesado casaco ao redor do corpo, arrependida por não haver escolhido um agasalho impermeável para sair de casa. O tecido grosso de seu sobretudo parecia capaz de absorver todas as gotas de água que caíam sobre ele, tornando-se mais frio e pesado a cada segundo.Ressentia-se também por haver rejeitado a ideia de tomar um táxi até o aeroporto. Optara por economizar um pouco de dinheiro ao tomar um ônibus, que por sua vez se atrasara.
Estava encharcada da cabeça aos pés, executando o agonizante ritual de olhar para o relógio a cada minuto, temendo perder o voo.
Para completar seu desespero, o ônibus a deixara muito longe do terminal de embarque, e bem em meio à chuva. Teria de caminhar bastante, sem chapéu nem capa, carregando uma mala e a grande bolsa a tiracolo.
Seu único consolo era estar prestes a embarcar para longe daquele clima horroroso. Se a previsão do tempo para os dias que se seguiriam estivesse correta, a Espanha ofereceria muito mais calor e menos chuva do que a Inglaterra.
Claro que não encontraria um ambiente quente e ensolarado como o dos trópicos, mas ainda assim estaria longe do céu acinzentado e das nuvens pesadas, que insistiam em se desmanchar sobre o território inglês na forma de constantes enxurradas.
Contudo, viu-se dominada por uma onda de ansiedade no momento em que avistou o terminal de passageiros entre as pesadas gotas de chuva. Jamais deixara a principal ilha britânica antes, e nem sequer imaginava como seria voar sobre o mar.
Parecia difícil precisar quando começara a gostar da ideia de viajar nas férias. Quando criança, jamais pensaria nisso. Passara a maior parte do tempo arrumando malas e pacotes, conforme seu pai mudava de emprego e de cidade periodicamente. Acostumara-se a morar em modestas casas alugadas, tendo de se mudar toda vez que tudo começava a se ajustar.
Aquilo não parecia magoá-la. Não até o momento em que alcançara idade suficiente para compreender que jamais conseguiria fazer amigos permanentes. Descobrira então que a única companhia com a qual poderia sempre contar seria a dela mesma.
Seus pais já haviam falecido, mas as marcas daquele estilo de vida nômade ainda se mostravam muito profundas em seu ser. Fora preciso um período de mais de três anos morando na mesma casa, trabalhando no mesmo emprego e cultivando amizades, para que a possibilidade de viajar para longe durante as férias pudesse ser cogitada.
Até então, mesmo tendo vinte e quatro anos de idade, e vivendo em uma época em que as viagens internacionais haviam se tornado acessíveis, Lisa jamais chegara além da Escócia, onde morara quando menina. Sempre julgara mais útil gastar seu dinheiro na casa ou em outro empreendimento.
Contentava-se em admirar os livretos de viagens das companhias de turismo, considerando aqueles paraísos tropicais como um sonho distante, pois os preços exorbitantes de tais viagens transcendiam até o mais otimista de seus orçamentos anuais.
Além disso, ao longo dos três últimos anos, seu pequeno carro popular havia demonstrado a incrível capacidade de perceber a chegada do período de férias. Como que temendo ficar estacionado na garagem por duas ou três semanas, o veículo apresentava sempre algum defeito, precisando de reparos imediatos que acabavam minando suas reservas monetárias. Mas dessa vez tudo parecia estar dando certo.



Série Paternidade
1- Pai por Acaso
2- Uma Surpresa do Destino,
3-Amante Acidental  
4- a revisar
5- A Esposa Certa
6-  Louco por Elas!
7- Adorável Compromisso
8- O Marido Ideal
9-Um Bebê para o Natal
10- Um anjo de saias
Baixar em Séries