Mostrando postagens com marcador Série Os Coretti da Sicília. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Série Os Coretti da Sicília. Mostrar todas as postagens

sábado, 13 de dezembro de 2014

Fome pelo Proibido

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Os Coretti 
Ao fugir da igreja correndo, 

Alessia Battaglia é uma visão de branco. Ela abandonou o noivo no altar, e agora reza para que o primo dele, Matteo Corretti, venha atrás dela. 
Afinal, há duas coisas que Matteo ignora. Alessia está grávida. E a criança é dele! 






Capítulo Um 

Alessia Battaglia ajustou o véu, o tecido fino roçando a pele sensível de seu pescoço. Como o beijo de um amante. Suave. Gentil. Ela fechou os olhos e podia sentir aquilo. Lábios quentes em sua pele desnuda. Uma mão máscula em sua cintura. 
Abriu os olhos novamente e abaixou-se, ajustando as fivelas delicadas de suas sandálias brancas. As mãos de seu amante em seus tornozelos, removendo seus saltos altos. Deixando-a nua diante dele, nua diante de um homem, pela primeira vez. Mas não havia tempo para nervosismo. Não havia nada além do calor entre eles. Anos de fantasia, anos de desejo. 
Alessia engoliu em seco e pegou o buquê de rosas vermelhas da cadeira. Roçar os dedos nas pétalas aveludadas despertou outra memória. Uma sensação. A boca de seu amante em seu seio, seus dedos se entrelaçando no cabelo escuro dele. 
— Alessia? Ela levantou a cabeça e viu a organizadora do seu casamento parada à porta. 
— Sim? 
— Está na hora. 
Alessia assentiu e andou em direção à porta, seus sapatos soando alto no piso de mármore da basílica. Saiu da sala que tinha sido separada para ela se aprontar e entrou no vasto foyer. Estava vazio agora, todos os convidados no santuário, esperando pela cerimônia. Ela deu um suspiro longo, o som alto no cômodo vazio. Então começou a andar em direção ao santuário, passando por pilares incrustados com ouro e pedras. 
Parou por um momento, esperando encontrar algum conforto, alguma paz nas cenas bíblicas descritas nas paredes. Seus olhos caíram sobre a pintura de um Jardim e Eva dando a maçã a Adão. 
— Por favor. Apenas uma noite. 
— Apenas uma, cara mia? 
— E tudo que eu tenho para dar. Um beijo abrasador, como nada que ela experimentara antes. Melhor do que qualquer fantasia. Arfando, ela virou-se da pintura, continuando a andar para a pequena antecâmara do lado de fora do santuário.
 





Série Os Coretti da Sicilia
 1- Legado de Silêncio
 2- Convite ao Pecado
 3- Sombra de Culpa
 4- Herança de Desonra 
 5- Sussurros de Tragédia
 6- Frágil Fachada
 7- Notícias Escandalosas
 8- Fome Pelo Proíbido
 

Noticías Escandalosas

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Os Coretti da Sicília



Abandonado no dia do casamento, Alessandro Corretti embarca em seu iate para fugir da imprensa e se recuperar. 

A bordo da embarcação e vestida com uniforme de funcionária está a mulher que havia destroçado o coração dele seis meses antes: Elena, o troféu de seu inimigo. Proibida para Alessandro.
Contudo, em alto-mar não existem regras, e Alessandro irá se apoderar da mulher que sempre desejou…

Capítulo Um

 — Que diabos você está fazendo no meu barco? 
Elena Calderón congelou no ato de polir o luxuoso bar de madeira no saguão superior do iate. A voz masculina baixa do outro lado da sala continha uma autoridade que demandava obediência instantânea. 
E ela sabia exatamente quem ele era, sem olhar para cima. Sabia. Alessandro Corretti. Ele não deveria estar lá, pensou ela freneticamente. Ele não usava aquele barco havia mais de um ano! Geralmente, alugava-o para estrangeiros. 
— Eu estou polindo o bar. — Ela conseguiu dizer. Manteve o tom calmo, porque era como uma comissária de bordo de um iate luxuoso falava com os hóspedes. Isso sem mencionar o próprio dono. Mas Elena não o olhou. Ele deu uma risada irônica. 
— É algum tipo de brincadeira? 
— Não é brincadeira. Esta é uma madeira de lei, segundo o comissário-chefe. Ela dissera a si mesma, repetidamente, que o que acontecera durante uma dança louca, seis meses antes, tinha sido uma casualidade, devendo-se mais ao vinho, à música e ao cenário romântico do salão de bailes do que ao homem... Não acreditava nisso, porém. Cautelosamente, olhou para cima. 
Ele estava meio escondido nas sombras da entrada do saguão, com o sol siciliano brilhando atrás, mas ela o reconheceu. Uma onda de calor a envolveu, e seu coração disparou. 
Alessandro Corretti. O homem que despedaçara sua vida com uma única dança. O homem que ela sabia que era ruim, independentemente de quão bonito fosse e do quanto se sentisse atraída por ele. O homem que era ainda pior do que seu ex noivo mentiroso, violento, com inclinações criminosas, Niccolo. Elena não ousara ir à polizia quando fugira de Niccolo, temendo as conexões da família dele. 
A família de Alessandro, todavia, fazia tais conexões parecerem sem substância. Eles eram os Corretti. Estavam acima da lei. E quando Alessandro adentrou mais o saguão, o peito de Elena se comprimiu em reação... E não era de terror. Seu coração disparou. Exatamente como seis meses antes, era como se seu corpo acreditasse que ele era bom. Seguro. 
— Essa foi uma tentativa de levitar? — Não havia nada seguro na voz dele ou na expressão daqueles olhos. 
— Hilário, tenho certeza. Mas você ainda não respondeu à minha pergunta, Elena. 



Série Os Coretti da Sicilia
 1- Legado de Silêncio
 2- Convite ao Pecado
 3- Sombra de Culpa
 4- Herança de Desonra 
 5- Sussurros de Tragédia
 6- Frágil Fachada
 7- Notícias Escandalosas
 8- Fome Pelo Proíbido
 

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Frágil Fachada

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Os Coretti da Sicília








Quanto mais poderosa a família, maiores os segredos escondidos!

Zach Scott acorda de um pesadelo ao som de tiros. Quando sai do transe, percebe que não está em seu jato de guerra, e sim nos braços da doce e delicada Lia Corretti. E não tarda a rejeitar a piedade dela.
Há anos Lia esconde a dor de ser a Corretti rejeitada. 
Por isso, ela compreende as sombras no olhar dele. Mas o calor envolvente de Zach a deixa inquieta… 
Lia conseguirá se revelar por completo para ele?

Capítulo Um

Zach Scott não gostava de festas. Não mais.
Certa vez, ele tinha sido a alma das festas. Mas tudo mudara pouco mais de um ano atrás. Zach enfiou as mãos nos bolsos da calça e franziu o cenho. Pensara que ir à Sicília com uma amiga, a fim de comparecer a um casamento, seria fácil. 
Não houvera casamento, no final das contas, mas a recepção estava acontecendo, de qualquer forma. E ele estava na extremidade do salão de bailes, imaginando onde Taylor Carmichael estava. Imaginando se poderia escapar dali e enviar-lhe uma mensagem de texto, desculpando-se.
Sua cabeça doía depois de uma noite agitada. Ele tivera aqueles sonhos novamente. Sonhos com armas, explosivos e aviões caindo do céu.
Não havia nada como uma luta por sobrevivência para rearranjar as prioridades de um homem. Desde que seu avião caíra em território inimigo, as coisas que ele fizera um dia... eventos para levantamento de fundos, aparições públicas, discursos, jantares políticos... eram agora uma espécie de tortura sem a qual preferia viver.
Exceto que era mais impossível escapar destas coisas agora do que já tinha sido um dia. Ele não era apenas Zachariah James Scott IV, filho de um eminente senador dos Estados Unidos e herdeiro de uma companhia milionária de produtos farmacêuticos, mas também era um herói militar que voltara ao lar.
Zach franziu o cenho novamente.
Desde seu resgate — no qual cada oficial da marinha enviado na missão tinha morrido — ele se tornara um modelo para representar uma causa. A mídia não o deixava em paz, e Zach sabia que grande parte daquilo devia-se à insistência de seu pai em contar a história em suas aparições públicas.
Zachariah J. Scott III não ia deixar a história morrer. Não quando esta poderia lhe trazer vantagens políticas.
O filho dele havia feito seu dever, quando poderia ter escolhido um caminho mais fácil. 
O filho dele escolhera servir ao seu país, em vez de a si mesmo. 
Era verdade que Zach poderia ter estado no quadro de diretores da Farmacêuticos Scott e movido montanhas de dinheiro, em vez de pilotar aviões para uma zona de guerra. Mas aviões eram a vida dele.
Ou tinham sido, até que o acidente o deixara com dores de cabeça fortes e imprevisíveis, que tornavam muito perigoso voar.
Sim, todos adoravam o fato de ele ter ido bravamente para a guerra e sobrevivido.
Exceto que ele não se sentia bravo e certamente não sentia que tinha feito nenhuma coisa extraordinária. Não queria a atenção, não merecia os louvores. Fracassara espetacularmente, em sua opinião.
Mas não conseguia fazê-los parar. Então, sorria para as câmeras, como um militar obediente, e sentia-se morto por dentro. E quanto mais morto se sentia, mais interesse parecia despertar da mídia.






Série Os Coretti da Sicilia
 1- Legado de Silêncio
 2- Convite ao Pecado
 3- Sombra de Culpa
 4- Herança de Desonra 
 5- Sussurros de Tragédia
 6- Frágil Fachada
 7- A Scandal in the Headlines
 8- A Hunger for the Forbidden
 

Sussurros de Tragédia

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Série Os Coretti da Sicilia






Quanto mais poderosa a família, maiores os segredos escondidos!

Rosa Corretti não consegue tirar da cabeça a noite que passou com Kulal. 
Para superar sua desgraça, ela se jogou no calor dos braços do sheik. Mas Kulal é um homem dominador, e agora quer ter controle total sobre Rosa, ainda que ela não esteja disposta a sair de uma gaiola de ouro para entrar em outra. 
Será que o arrogante sheik sucumbirá à paixão abrasadora e aceitará Rosa em seu coração?

Capítulo Um

A garrafa estava gelada, mas não tanto quanto o gelo ao redor de seu coração. Rosa levou o champanhe aos lábios e bebeu outro gole enquanto tentava amortecer a dor. 
Queria acordar e descobrir que os últimos dias não tinham acontecido. Queria ser a pessoa que sempre pensara ser. E queria que aquele homem alto do outro lado da boate parasse de observá-la com aqueles olhos escuros e enervantes.
A luz fluorescente e a música alta estavam fazendo sua cabeça girar... ou talvez fosse o champanhe que ela bebia desde que entrara lá. Não estava acostumada com espumantes e não gostava do sabor... principalmente porque havia sido criada com vinhos da Sicília, que eram ricos, quentes e tintos. Ou, pelo menos, tivera permissão de tomar meia taça de vez em quando, completada com água... observada pelos olhos protetores de seus dois irmãos.
Exceto que eles não eram realmente seus irmãos, eram? De agora em diante, ela precisava começar a pensar neles como meios-irmãos.
Rosa apertou o gargalo da garrafa, um tremor percorrendo sua coluna enquanto se forçava a confrontar a verdade inacreditável. Que nada era o que parecera ser, nem nunca mais seria. A revelação tinha sido brutal, e ela descobrira, da pior maneira possível, que vivera uma mentira por toda sua existência.
E ela não passava de uma farsa.
— Mademoiselle? Você está pronta?
Sem palavras, Rosa assentiu quando o funcionário da boate gesticulou em direção ao pódio, no qual diversas mulheres tinham tentado a pole dance durante a noite inteira. 
Seria justo dizer que a maioria delas fizera uma dança pobre, apesar de serem magras, loiras e estarem em plena forma. Todas as mulheres nesta parte da Riviera Francesa possuíam tal aparência. Rosa era a diferente, com seu cabelo cor de mogno, pele cor de oliva e curvas generosas... que agora saltavam de seu novo vestido vermelho.
Ela ergueu um dos pés não muito firmes no pódio, imaginando se conseguiria dançar no tipo de salto alto que não teria ousado usar na Sicília. Mas quem se importava se ela tropeçasse? E quem se importava se seu vestido fosse a coisa mais curta que Rosa já usara? Nem ela. Esta noite, ia se livrar da velha Rosa, que se importara muito com aparências e em fazer a coisa certa. Esta noite, ia abraçar uma nova Rosa... uma que ganhara uma pele mais grossa, de modo que ninguém nunca mais pudesse machucá-la. 
Nesta costa francesa conhecida como Côte d’Azur, emergiria de sua concha protetora como uma criatura irreconhecível... e sua transformação seria completa.
Ela deu outro gole do champanhe e pôs a garrafa no chão, mas quando subiu ao pódio, seu olhar foi capturado pelo homem do outro lado da boate... aquele de cabelo escuro e corpo poderoso. Ele ainda a observava...


Série Os Coretti da Sicilia
 5- Sussurros de Tragédia
 7- A Scandal in the Headlines
 8- A Hunger for the Forbidden
 

domingo, 19 de outubro de 2014

Legado de Silêncio

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Os Coretti da Sicília
Como assistente de um chefe temperamental, Ella deve estar preparada para qualquer eventualidade. 

Por isso, anda sempre com a “Bolsa Santo” … Não se trata de uma elegante peça de grife, e sim da sacola onde guarda todos os objetos que o diabólico produtor de cinema Santo Corretti possa precisar desesperadamente. Mas o coração de Ella não está dentro da “Bolsa Santo”. 
Será que ele conseguirá convencê-la a entregar seu bem mais precioso?

Capítulo Um

Santo acordou num sobressalto, o coração disparado, e estendeu o braço para buscar conforto familiar, mas, em vez de estar na cama com uma amante ao seu lado, dormia sozinho num sofá. 
O que aconteceu ontem à noite? Sua mente traiçoeira não lhe respondeu o que tinha acontecido... deu-lhe pequenas dicas.
Havia uma garrafa vazia de uísque no chão, sobre a qual Santo pulou para chegar ao banheiro, e, quando olhou para baixo, viu que ainda usava o terno do casamento, mas estava sem gravata e com a camisa rasgada e desabotoada. Enfiou a mão no bolso do paletó, lembrando que Ella checara três vezes se as alianças estavam ali antes de ir embora, e antes que ele saísse para ser o padrinho do casamento de seu irmão. As alianças continuavam no seu bolso. 
Santo jogou água no rosto, que estava todo machucado, assim como seu peito. Olhou para o pescoço e fez uma careta, mas algumas mordidas de amor se mostraram a menor de suas preocupações quando os eventos da véspera começaram a voltar a sua mente. Alessandro! 
Santo pegou o telefone para chamar um táxi, mas quem atendeu foi a recepcionista da noite, que, talvez sem saber que não deveria fazer tais questões, perguntou para onde ele queria ir, e Santo de imediato desligou. Olhando pela janela, de seu ponto de vantagem luxuoso, podia ver a imprensa esperando. Algo raro para Santo: não se sentia em condições de enfrentá-los, ou de enfrentar seu irmão, sozinho. 
— Você pode vir me buscar? Apesar da hora, Ella atendera ao telefone, com olhos fechados. Depois de quatro meses trabalhando para Santo Corretti, estava mais que acostumada a ser chamada nos horários mais estranhos, embora ele soasse particularmente terrível, essa manhã. A voz profunda, com o forte sotaque italiano, ainda era linda, mesmo se um pouco rouca. 
Sim; lindo e terrível basicamente resumiam Santo. Abrindo os olhos, ela olhou para o criado-mudo. 
— São 6h — disse Ella. — De domingo. O que teria sido razão suficiente para terminar a chamada e voltar a dormir. Entretanto, a noite inteira, Ella esperara que ele ligasse; tanto que arrumara o cabelo de noite, e separara a roupa que usaria. 
Como o resto da Sicília, Ella assistira ao drama se desenrolar na televisão, na tarde anterior, e vira atualizações nos noticiários por toda a noite. Até mesmo sua mãe, na Austrália, assistindo ao jornal italiano, saberia que o casamento muito esperado do irmão de Santo, Alessandro Corretti, com Alessia Battaglia, fora cancelado no último minuto. Literalmente, no último minuto.


Série Os Coretti da Sicilia
 1- Legado de Silêncio
 2- Convite ao Pecado
 3- Sombra de Culpa
 4- Herança de Desonra 
 5- Sussurros de Tragédia
 6- Frágil Fachada
 7- Notícias Escandalosas
 8- Fome Pelo Proíbido
 

Convite ao Pecado

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Os Coretti da Sicília 











Taylor Carmichael tem apenas uma coisa em mente: reconstruir sua reputação. 

Até que um encontro regado a champanhe com Luca Corretti é registrado pela lente fotográfica dos paparazzi. 
Ele teve a oportunidade de impedir a ação da imprensa, mas ignorou. 
Bem, desta vez, ela fará as manchetes funcionarem a seu favor: Luca Core e Taylor Carmichael a caminho do altar! 

Capítulo Um

— Zack? Onde você está? É melhor não me abandonar, porque eu não acho que posso fazer isto sem você. A qualquer momento, vou comer carboidratos, então será o fim deste vestido. Quando receber esta mensagem, me ligue. 
— O telefone quase escorregou de sua palma suada, e Taylor segurou-o com força. Aquele era apenas um casamento. Haveria pessoas com quem ela não se importava, e que certamente não se importavam com ela. Isso não deveria deixá-la nervosa. 
Só estava lá porque o produtor de seu último filme insistira. Tentou respirar fundo, mas a roupa não permitia a expansão do seu peito. 
O estilista costurara o vestido com Taylor dentro, então lhe dissera que enviasse uma mensagem de texto quando ela precisasse ir ao banheiro. 
O calor da Sicília queimava suas costas desnudas, e Taylor fez uma careta diante do absurdo da situação. Estava muito quente para que fosse costurada em qualquer coisa, e ela não permitiria que alguém a acompanhasse ao banheiro, o que significava que não poderia comer ou beber. 
Não que comesse muito, de qualquer forma. A disciplina que sua mãe impusera desde cedo nunca a abandonara. Taylor estava acostumada a sentir fome, mas, ultimamente, o desejo de comer deixava-a irritada. Sentia-se a ponto de quebrar a cabeça de alguém, mais especificamente a do membro da família Corretti responsável por seu desconforto atual. 
Ele teria feito aquilo de propósito? Pedira que o estilista se certificasse de que homem algum pudesse remover o vestido dela e arruinar seu grande retorno? Taylor se mantivera longe daquilo por tanto tempo que esquecera como detestava a falsidade, os planos escondidos atrás de beijos no ar e sorrisos forçados. Ao resistir à tentação infantil de roer as unhas, olhou para suas mãos e constatou que elas tremiam. Não ousaria segurar uma taça de champanhe. 
Derramaria o drinque em seu vestido. Ou pior, no vestido de outra mulher; e sabia como isso seria interpretado. Irritada por se importar com o que os outros pensavam, jogou o telefone dentro da bolsa. 
Era patético reagir assim a algo tão trivial. 
Os últimos dois anos haviam lhe ensinado o que importava na vida. Havia pessoas lá fora com problemas sérios, e os seus eram culpa sua, e estavam todos no passado. 
Ela tomara decisões ruins. Confiara nos indivíduos errados, mas era uma mulher diferente agora. Provaria isso. E era disso que se tratava hoje, é claro. Era esperado que ela provasse.






Série Os Coretti da Sicilia
 1- Legado de Silêncio
 2- Convite ao Pecado
 3- Sombra de Culpa
 4- Herança de Desonra 
 5- A Whisper of Disgrace
 6- A Facade to Shatte
 7- A Scandal in the Headlines
 8- A Hunger for the Forbidden
 

Sombra de Culpa

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Os Coretti da Sicília 












Motivada e determinada: como perdoar um Corretti. 

Valentina Ferranti sempre culpou Gio Corretti e seu comportamento inconsequente pela morte do irmão dela. 
Agora, à beira da falência e caluniada pela infame Carmela Corretti, 
Val precisa de ajuda. E a única pessoa a quem pode recorrer é o homem frio e misterioso do passado, cujos olhos, maculados pela culpa e pelo arrependimento, ainda brilham de paixão.

Capítulo Um

Ele deveria estar naquele caixão, e não seu melhor amigo irresponsável. Giacomo Corretti estava de pé na sombra de um pinheiro, observando enquanto o caixão era posto dentro da terra, apenas a alguns metros de onde ele estava efetivamente escondido. 
A bola de gelo alojada na boca de seu estômago estava lentamente se espalhando para todas as extremidades de seu corpo. 
Ele agradeceu isso, mesmo enquanto se castigava por ser covarde. 
O pequeno grupo de pessoas em volta do caixão começou a se mover, as palavras finais do padre pairando no ar quente da primavera com o cheiro de incenso. Não deveria estar quente, percebeu Gio, não deveria ser primavera. 
O mar não deveria brilhar sob um céu azul-celeste. Ele queria que uma tempestade revolvesse a água, que tudo escurecesse, e que trovões e raios atingissem aquele lugar. Que o atingissem e o destruíssem 
Podia ouvir o som do choro desesperado da mãe de Mario enquanto ela se apoiava no marido idoso. Um som que o despedaçava. 
Gio nunca teria sido digno daquelas lágrimas de dor. A percepção era fria, mas não lhe causou sentimento de autopiedade. Em contraste, ao lado deles, com a coluna estoicamente ereta, estava a filha do casal, Valentina. 
O longo cabelo castanho estava preso numa trança, e havia um lenço preto em sua cabeça. 
A saia e blusa preta moldavam o corpo gracioso da garota de 17 anos. Ela não precisou se virar para que Gio se lembrasse de cada linha no rosto bonito. Pele cor de oliva, tão suave como uma pétala de rosa. A curva deleitosa da boca e lábios sensuais. 
Os olhos tinham uma cor extraordinária... eram dourados como âmbar. Olhos de tigresa. Ele podia visualizá-los agora, com zombaria, raiva e medo, toda vez que Valentina pegava seu irmão amado e Gio flertando com o perigo, o que eles tanto amavam. 
Como se a intensidade de seu olhar e de seus pensamentos a tivesse tocado, Valentina Ferranti focou o exato lugar onde Gio estava, os olhos amendoados se estreitando nele. Era tarde demais, ele não podia fugir. Ela o fitou por um longo momento. 
O rosto estava pálido e inchado pelo choro. E havia tanta dor nos olhos sombreados! 
Ele fizera aquilo com ela. Ele lhe causara aquele dano irreparável. Suas palavras descuidadas daquela noite lhe voltaram à mente: 
— Não se preocupe, eu o trarei de volta para os livros antes da meia-noite, como Cinderela... A desolação de Valentina zombou de Gio. E então ela estava andando na sua direção, o rosto contorcido com a fúria da dor. Parou a poucos centímetros de distância. 
Tão perto que ele podia sentir seu cheiro doce e fresco, o que era inapropriado no meio de tanto sofrimento. 
— Você não é bem-vindo aqui, Corretti. — A voz dela estava rouca pelo choro, e o peito de Gio se apertou tanto que ele perguntou-se como estava consciente, quando mal conseguia respirar. 
— Eu... sei.






Série Os Coretti da Sicilia
 1- Legado de Silêncio
 2- Convite ao Pecado
 3- Sombra de Culpa
 4- Herança de Desonra 
 5- A Whisper of Disgrace
 6- A Facade to Shatte
 7- A Scandal in the Headlines
 8- A Hunger for the Forbidden
 

Herança de Desonra

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Os Coretti da Sicília 









Rejeição e vergonha: tudo por causa de uma noite com um Corretti... 

Angelo Corretti tem apenas uma amante: a vingança. Implacável, cruel e sombriamente sexy, ele construiu seu caminho até o topo com um objetivo: destruir os Corretti, a família que o rejeitou cruelmente por sua ilegitimidade. 
Mas, tempos atrás, ele havia conhecido uma menina inocente e pura, que entregou seu coração para Angelo. 
Agora, apesar de todo o seu poder, ele terá que sustentar o olhar de Lucia... E descobrir o fruto de sua revolta.

Capítulo Um

Aquilo era seu. Tudo seu. Quase seu, porque no dia seguinte ele tinha uma reunião para assinar os papéis que transfeririam a posse do Hotel Corretti, em Palermo, das Empresas Corretti para a Corretti Internacional. Angelo Corretti deu um sorriso irônico. De um Corretti para outro. Ou não. 
Lentamente, ele atravessou o saguão do hotel, observando os carregadores de malas o avistarem, arregalando os olhos antes de assumirem uma postura alerta. Uma mulher de meia-idade, à mesa de recepção, fitou-o com ansiedade, claramente esperando para entrar em ação se chamada. 
Angelo não fora formalmente apresentado para os funcionários do hotel, mas não tinha dúvida de que eles sabiam quem ele era. 
Vinha entrando e saindo dos escritórios Corretti por quase uma semana, combinando reuniões com os acionistas majoritários, que não possuíam escolha senão entregar as rédeas do hotel principal, em vista da ausência do diretor-geral deles e do número de ações de Angelo. 
No final, tudo havia sido gloriosamente simples. Deixasse os Corretti sozinhos por um tempo, e eles destruiriam uns aos outros. Não podiam evitar. 
— Senhor? Signor... Corretti? — A recepcionista finalmente aproximou-se, os saltos soando alto no piso de mármore do saguão. Angelo percebeu como ela hesitou ao falar seu nome, porque, é claro, todos conheciam os Corretti ali, e em toda a Sicília. 
Eles eram a família mais poderosa e mais escandalosa do sul da Itália. E ele não era um deles. Exceto que era. Ele fez uma careta quando toda aquela raiva fútil e familiar envolveu-o. Era um deles, mas nunca fora — e nem seria — reconhecido como um, mesmo se todos conhecessem a verdade sobre seu nascimento. 
Mesmo se todos no vilarejo onde ele crescera soubessem que ele era o filho bastardo de Carlo Corretti, e tivessem tornado sua vida um inferno por causa disso. 
Ele virou-se para a recepcionista do hotel, forçando um sorriso. 
— Sim? 
— Há algo que eu possa fazer pelo senhor? — perguntou ela, e Angelo viu a incerteza nos olhos da mulher, o medo de que ele tivesse ido lá para demitir todos. E parte de Angelo ficou tentada a fazer exatamente isso. Todas as pessoas que trabalhavam ali tinham sido leais com a família que ele desprezava e estava determinado a arruinar. Por que não deveria demitir todos, e levar sua própria equipe? 
— Não, obrigado, Natalia. — Ele leu o nome no crachá discreto no uniforme da recepcionista, antes de encontrar-lhe o olhar com um sorriso. — Eu irei para o meu quarto. — Angelo reservara a suíte da cobertura pela noite, pretendendo saborear a estada no melhor quarto do hotel de seu maior inimigo. 
O quarto que ele sabia que era reservado quase exclusivamente para uso de Matteo Corretti, exceto que, desde o escândalo do casamento Corretti/Battaglia cancelado, ninguém sabia onde Matteo estava. 
Ele não usaria a suíte mesmo se pudesse, e a partir do dia seguinte, não poderia. Nenhum Corretti, exceto o próprio Angelo, se hospedaria naquele hotel de novo.






Série Os Coretti da Sicilia
 1- Legado de Silêncio
 2- Convite ao Pecado
 3- Sombra de Culpa
 4- Herança de Desonra 
 5- A Whisper of Disgrace
 6- A Facade to Shatte
 7- A Scandal in the Headlines
 8- A Hunger for the Forbidden