Mostrando postagens com marcador Dueto Avassaladores Bilionários. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dueto Avassaladores Bilionários. Mostrar todas as postagens

domingo, 9 de janeiro de 2011

Dueto Avassaladores Bilionários

2- Inocência
ROMANCE CONTEMPORÂNEO


Não mais que uma ingênua adolescente, Jessica Marshall se apaixonou pelo deslumbrante grego Angelos Rousakis.

Mas sua desastrada tentativa — de seduzi-lo custou caro para ele.
Sete anos depois, Ângelo está de volta, e pretende reivindicar o que é seu... incluindo Jessica!
Enquanto se apaixona por ele novamente, ela não consegue deixar de pensar se ele retornou por prazer... ou por vingança!

Capítulo Um

A chuva torrencial açoitava o pára-brisa do carro, obscurecendo a estrada e ocultando o sinal fixado na parede baixa de pedra, mas Angelos Rousakis não precisava de ajuda ou orientação para chegar ao lugar que estava procurando.
A ala­meda rural que conduzia ao Solar não mudara nada desde a última vez em que a viu e suas mãos já se preparavam para girar o volante e contornar a curva, antes mesmo de ele avistar o portão.
O aguaceiro selvagem significava que teria de virar a cur­va acentuada e íngreme em baixa velocidade, mas isso não o preocupava.
Esperara muito por aquele momento, planeja­ra-o por tanto tempo, que alguns minutos a mais não fariam diferença.
A verdade era que estava desfrutando a expectati­va, quase tanto quanto esperava colocar seu plano em ação.
Quando a mansão cor-de-areia entrou em seu raio de visão, o sentimento de satisfação que o acompanhava desde que dei­xara Atenas se aprofundou e escureceu só de pensar no que estava por vir.
No interior daquela casa, Jessica Marshall agia como a se­nhora do Solar, alheia ao fato de que seus dias naquela função estavam contados.
Na verdade, já haviam findado.
Num espaço muito curto de tempo, a realidade da situação se abateria sobre ela e, quando o mundo desmoronasse a seu redor, estaria lá para ver a reação dela.
Esse pensamento era algo que tornava suportável a longa e tediosa viagem do aeroporto até ali, até mesmo com aquele tempo apavorante.
— Acho que agora estamos prontos — disse Jessica suave­mente, parando o mordomo do padrasto no momento em que ele se preparava para deixar a sala, após ter anunciado o último con­vidado. — Já pediu para que trouxessem os carros para a frente da casa, Peters?
Ele hesitou, parecendo um pouco preocupado.— Há algum problema?










Dueto Avassaladores Bilionários
1- Esperança
2- Inocência

Dueto Avassaladores Biliónários

1- Esperança
ROMANCE CONTEMPORÂNEO

Alice passou seis meses apaixonantes como amante de Domenico.

Mas ela sabia que ele jamais retribuiria seu amor... e que logo a dispensaria. Assim, ela o deixou.
Agora, ele a quer de volta em sua cama, e suas condições são as mesmas de antes... até ele fazer uma descoberta que muda tudo: Alice está esperando um filho seu.

Capítulo Um

Alice Howard sabia exatamente quem estava à porta assim que escutou o primeiro toque da campainha.
Sabia de quem se tratava; sabia quem estava lá. Tinha cons­ciência também de que era a última pessoa na Terra que queria ver... Muito embora fosse, ao mesmo tempo, a pessoa que mais desejava encontrar no mundo.
A mera idéia de abrir a porta para ele fazia suas pernas tremerem a ponto de não poder ficar de pé ou ir à janela para espiar se estava certa a respeito da identidade do visitante inesperado.
No entanto, não havia necessidade. Em sua men­te e, principalmente, em seu coração, onde mais importava, sabia.
O momento conferia: apenas três dias após o envio da carta em que lhe informava haver algo importante que precisavam discutir... Deslizou a mão em concha, cuidadosamente, sobre o ponto onde o bebê, filho daquele homem, como descobrira dias antes, começava a se desenvolver.
Algo muito, muito importan­te, dissera Alice, e certamente era assim.
A circunstância também conferia.
Chegada totalmente re­pentina. Nenhum aviso.
Sequer o ruído de um carro vindo pela pequena viela e estacionando diante do portão a havia alertado para o fato de que ele estava ali.
Até mesmo o som conferia.
O soar áspero, agudo e insistente da campainha, ecoando pela quietude da tarde e pelo silêncio da casa, era como uma ordem despótica, tirânica. Fria, orgulhosa e altiva como o próprio Domenico.
Domenico. Pronto. Agora permitira que seu nome lhe entras­se nos pensamentos. Havia finalmente admitido quem imagina­va ser seu visitante indesejado.
O homem cuja chegada à porta lhe inspirava tanto terror.
Ou seria tanta... expectativa?
Não era capaz de responder, e sacudiu a cabeça, lentamente, fazendo voar os longos cabelos escuros ao redor do rosto pálido e oblongo.
Dentes brancos e afiados pressionavam seu carnudo lábio inferior, e seus olhos azuis estavam obscurecidos pelas profundas sombras das noites sem sono, acentuadas por aquele pequeno segredo.
— Domenico.
O nome dele escapou dos lábios de Alice enquanto se senta­va na pequena cama de solteiro, no diminuto quarto com deco­ração já desgastada pelo tempo.
As mãos estavam firmemente apertadas no colo enquanto lutava contra o impulso ardente de atravessar correndo o tapete verde-claro e olhar pela janela.
Protegida atrás das desbotadas cortinas de veludo, é claro.









Dueto Avassaladores Bilionários
1- Esperança
2- Inocencia