Mostrando postagens com marcador Dilema de Paixão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dilema de Paixão. Mostrar todas as postagens

domingo, 24 de abril de 2016

Dilema de Paixão

ROMANCE CONTEMPORÂNEO







Um problema... uma solução!

Para Dario Olivero, Alyse Gregory era apenas uma peça em seu plano de vingança contra o meio-irmão. Ela é a chave para Dario conseguir a aceitação da família com a qual sempre sonhou. Alyse não esperava ser pedida em casamento, porém, o sensual italiano prometera liquidar suas dívidas se ela for sua esposa. 

A razão diz para Alyse se afastar, mas seu corpo clama pelo toque de Dario. E sob o sol da Toscana, o desejo incontrolável que sentem logo se transforma em uma paixão não planejada, deixando ambos com um grande dilema.

Capítulo Um

Alyse quase havia desistido do plano e já estava quase chegando à conclusão de que tudo não passava de uma ideia maluca, perigosa, quando o viu. Chegou a pensar em sair antes que aquele baile beneficente deslumbrante começasse, refletindo duas e até três vezes sobre o plano mirabolante que elaborara, quando a multidão à frente se abriu ligeiramente, formando um caminho que ia dar bem no moreno alto do lado oposto do salão.
Ela conteve a respiração e soube que seus olhos se arregalaram mesmo ao tentar disfarçar, afastando uma mecha de cabelo loiro para trás, a fim de vê-lo melhor. Ele era...
— Perfeito...
A palavra escapuliu dos lábios, fugindo ao controle na forma de um sussurro que pairou no ar quente ali dentro.
O homem do outro lado do salão parecia tão diferente, extraordinário. Destacava-se como se fosse uma majestosa águia no meio de um bando de pavões. Da mesma espécie, mas, ainda assim, diferente de qualquer pessoa ali.
E essa diferença foi o que chamou a atenção dela e lhe tornou impossível desviar o olhar. Parou, inclusive, com a taça de champanhe a meio caminho dos lábios, incapaz de concluir o gesto.
Ele era estonteante. Não havia outra palavra. Alto e forte, tinha um corpo atlético moldado por roupas formais e sofisticadas. Possuía algo que o fazia parecer perigosamente indomável em contraste com o terno elegante de seda, com a impecável camisa branca. A gravata fora afrouxada em algum momento por mãos impacientes e pendia solta junto ao pescoço, onde também se via o primeiro botão da camisa aberto. O cabelo preto era de comprimento maior do que o de qualquer homem ali presente, como a juba de um poderoso leão. Maçãs do rosto salientes, cílios espessos e longos encobrindo olhos intensos eram características que se somavam aos traços marcantes. Ao passar os olhos pelo salão, o ligeiro sorriso em seus lábios sensuais foi mais de desdém do que caloroso.
E foi o que o tornou perfeito. Foi o leve mas óbvio sinal de que, como ela, não pertencia àquele lugar. Evidentemente, duvidava de que ele tivesse sido obrigado a estar ali, como no caso de Alyse. Seu pai insistira para que ela fosse até ali naquela noite, embora preferisse ter ficado em casa.
— Você precisa sair depois de passar dias enfiada naquela galeria de arte apertada — argumentara.
— Gosto ficar na galeria! — protestara Alyse. Podia não ser o emprego em belas-artes que esperara, mas ganhava seu próprio dinheiro e, além do mais, era uma válvula de escape para o estresse em casa, onde os cuidados exigidos pela doença da mãe pareciam anuviar tudo.
— Mas você nunca vai conhecer ninguém se não sociabilizar mais. Nem rever ninguém.
Certamente não queria rever ninguém como Marcus Kavanaugh, pensou Alyse, irônica, como seu pai gostaria. O homem que tornara sua vida um inferno com suas atenções indesejadas, visitas persistentes e determinação a persuadi-la a se casar com ele. Marcus até começara a aparecer na galeria “apertada” para lhe tirar a paz. Então, recentemente, por alguma razão, o pai dela parecia ter concluído que o casamento de ambos seria perfeito.
— Ele pode ser o filho e herdeiro de seu chefe, mas não faz meu tipo! — protestara ela, mas obviamente o pai não dera ouvidos. Não era que a estivesse pressionando a aceitar a proposta de Marcus, mas, ao mesmo tempo, ficava claro que achava improvável que ela se saísse melhor com qualquer outro homem.
Por fim, cansada de se sentir assediada e oprimida, ela resolvera ir ao baile naquela noite e espairecer um pouco. Foi quando pousou os olhos no estranho do outro lado do salão.
Levando em conta sua estatura e as roupas elegantes que usava, ele poderia ficar com a mulher que quisesse ali, mas sua expressão indicava que não se importava nem um pouco com o que pensassem a seu respeito. O que o tornava mais ainda o parceiro que ela desejava.
De repente, foi como se o pensamento de Alyse o tivesse alcançado ali adiante. Ele se virou como se algo o tivesse alertado. Virou a cabeça com sua cabeleira negra e os olhos encontraram os dela em cheio.
Foi como se naquele momento em que se entreolharam o mundo tivesse rodopiado de repente.
Perigo.