Mostrando postagens com marcador Coração de Pedra. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Coração de Pedra. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Um Chefe Sedutor

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 
Série Casando o Chefe





Do escritório... para o altar!

Erin não tinha certeza se tomara a decisão acertada. 

O lindo, maravilhoso... e milionário... Slater Livingstone a pedira em casamento. E ela, a simples, comum... e mortal... Erin Reynolds, recusara!
Como secretária de Slater, Erin já desempenhava algumas funções de esposa: organizava a agenda dele, recebia os clientes, resolvia assuntos de sua vida particular.
Mas isso, certamente, não era base suficiente para um casamento. Por que, então, Erin se sentia tão arrependida de não ter dito "sim"?

Capítulo Um

Erin largou o telefone e pegou os recados escritos em papel amarelo que sua secretária acabara de colocar no canto da escrivaninha. E pediu:
— Sarah, você quer ver se consegue quatro entradas para o bale O Lago do Cisne que terá lugar na quinta-feira em Forest Park? A secretária do senador diz que ele está louco para assistir a um bale ao ar livre. — Erin franziu a testa quando leu melhor o recado. — Um minuto. Jessup, o mordomo do sr. Slater, telefonou para dizer que as flores não são? Não são o quê?
— Frescas, presumo — disse Sarah. — Jessup não entrou em detalhes. E eu lhe disse que você não poderia falar agora sobre esse jantar porque estava ao telefone organizando o próximo. E ele apenas suspirou.
Erin sorriu e disse: — Houve muitos desses jantares ultimamente. Vou me comunicar com Jessup. Suponho que deva saber mais detalhes antes de encomendar flores da mesma floricultura.
— Eles mandaram um centro de mesa que parecia para cemitério e não para uma festa — comentou Sarah. — Até as tulipas e as margaridas estavam murchas. O sr. Livingstone pediu também para você ir ao escritório dele quando tiver um minuto disponível. E Cecile Worth deseja lhe falar.
— Cecile quer falar comigo? — Erin largou o telefone que já estava de novo em suas mãos. — Não é com o sr. Livingstone que deseja falar?
— Não. Imagine só, Cecile nem me pediu para falar com ele. Quer apenas falar com você.
Erin sacudiu a cabeça. A última eleita de Slater Livingstone, e a mais brilhante das amantes, querendo falar comigo, Erin Reynolds, uma simples secretária?
— Você tem o número dela, Sarah?
— Claro que sim. Mas nem será necessário ligar. Ela está a sua espera na extensão.
— Quer dizer que deixou a grande Cecile esperando por mim?
— Não exatamente. Eu lhe disse que você poderia levar algum tempo para ficar livre, porém ela insistiu em permanecer à espera.
— Não é um bom sinal. — Erin clicou o número de Cecile. — Sra. Worth? Sinto muito por deixá-la esperando.
— Oh, não perca seu tempo desculpando-se. Eu estava aqui sentada sem fazer nada mesmo; por isso aguardei.
Por que será que mulheres cheias de maneiras polidas eram mais perigosas do que as abertamente venenosas? Não que Cecile não fosse mestra em ambas as atitudes.
— Mas não se preocupe — Cecile continuou. — Sobre a festa desta noite...
Não se esqueça de que você será a anfitriã, uma voz soou na mente de Erin.
— ...espero que os convidados não sejam monótonos como os da última vez.
Na última vez, os convidados de Slater Livingstone, Erin lembrou-se, incluíam um físico vencedor do prêmio Nobel, e sua esposa, uma professora de universidade. Erin se encantara com eles, mas com certeza Cecile apreciava diferentes valores.
— Concluo, pelo tempo que você está demorando para responder, que os atuais são do mesmo tipo. São? 



Série Casando o Chefe
1- Por Amor
2- Um Chefe Sedutor
3- Alto Risco 
4- Uma Atração Perigosa
5- A Mulher Ideal
6- A Bela da Tarde
7- Coração de Pedra
Série Concluída

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Coração De Pedra

ROMANCE CONTEMPORÂNEO



Um amor de infância...

Como homem de negócios e fazendeiro, Boone Sinclair possui tudo o que sempre quis — mas Keely Welsh jamais fizera parte de seus planos.  doce menina sempre fora apaixonada pelo taciturno cowboy, embora soubesse que não tinha nenhuma chance... Afinal, ele era experiente, e ela, muito inocente.
Quando a vida de Keely é ameaçada por forças que ela não consegue controlar, ele se torna sua única chance de sobrevivência. 
Boone é a marca registrada do típico homem do Texas: calado, nobre, leal e bastante teimoso. 
Caberá a Keely convencê-lo de que ela não é mais uma menina, e sim uma mulher pronta para arrebatar seu coração!

Capítulo Um

Keely Welsh sentiu a presença dele antes de erguer o olhar e vê-lo. Era assim desde que conhecera Boone Sinclair, o irmão mais velho de sua melhor amiga. Ele não era um estonteante astro de cinema e nem mesmo um ser sociável, mas sim um homem recluso e solitário que raramente sorria, cuja presença intimidava as pessoas. Por alguma razão desconhecida, Keely sempre pressentia quando ele estava por perto, mesmo que não o estivesse vendo.
Era um homem alto e magro, mas tinha pernas musculosas e mãos e pés longos. Alguns rumores sobre Boone Sinclair se tornavam mais exagerados à medida que eram passados adiante. Comentavam que ele estivera nas Forças Especiais do Exército, no exterior, cinco anos antes; que salvara sua unidade da destruição certa; que ganhara medalhas; que almoçara com o presidente na Casa Branca; que fizera um cruzeiro com um autor de fama mundial; que quase se casara com uma princesa europeia, e daí por diante.
Ninguém sabia a verdade. Bem, talvez Winona e Clark Sinclair soubessem. Winnie, Clark e Boone eram mais unidos do que a maioria dos irmãos costumava ser. Mas Winnie não comentava sobre a vida particular do irmão mais velho, nem mesmo com Keely.
Não houvera um dia, desde que tinha 13 anos, que Keely não tivesse amado Boone Sinclair. Observava-o a distância, com os olhos verdes suaves e cobiçosos. As mãos tremiam caso se deparasse inesperadamente com ele. Como naquele momento.
Boone estava parado diante do balcão, fazendo o registro de entrada. Tinha uma consulta marcada para fazer a vacinação de rotina de seu cachorro. Fazia isso uma vez por ano. Ele amava seu Pastor Alemão preto e marrom-claro, chamado Bailey. As pessoas comentavam que o cão era o único ser no mundo que Boone amava de fato. Talvez ele gostasse dos irmãos, mas não demonstrava. No entanto, não conseguia esconder a afeição por Bailey.
Um dos técnicos em veterinária surgiu com um bloco nas mãos e chamou Bailey, sorrindo para Boone, que não retribuiu a gentileza. Ele guiou o cão idoso para o consultório, passando por Keely sem ao menos lhe dirigir o olhar. Boone não falava com ela. No que lhe dizia respeito, Keely Welsh era invisível.
Quando Boone fechou a porta do consultório, após entrar, ela deixou escapar um suspiro. Ele agia da mesma forma em qualquer lugar em que a visse. Na verdade, tinha a mesma reação em seu enorme rancho, próximo a Comanche Wells, no Oeste de Jacobsville, Texas. Nunca proibira Winnie de convidá-la para almoçar ou para um ocasional passeio a cavalo, mas a ignorava da mesma forma.
— É engraçado — dissera Winnie um dia, quando as duas estavam cavalgando. — Boone nunca tece nenhum comentário sobre você, mas faz questão de fingir que não a vê. Fico imaginando por quê. — E então, encarara-a com aqueles olhos escuros maliciosos, emoldurados pelo cabelo loiro. — Não saberia me dizer a razão, certo?
Keely se limitou a sorrir.
— Não tenho a menor ideia — dissera. E estava sendo sincera.
— Ele só faz isso com você — continuara a amiga pensativa. — É muito educado com as namoradas ocasionais de Clark. Até mesmo com aquela garçonete que Clark trouxe para jantar em nossa casa uma noite dessas, e você sabe como Boone pode ser esnobe. Ainda assim, finge que você não existe.
— Talvez eu o faça se recordar de alguém de quem não gosta — retrucara Keely.
— Houve aquela jovem de quem ele estava noivo — dissera Winnie do nada.
Keely sentiu o coração dar um salto dentro do peito.
— Sim, lembro-me quando ele ficou noivo. 



domingo, 13 de outubro de 2013

Coração de Pedra

ROMANCE CONTEMPORÂNEO 






Das luzes brilhantes de Las Vegas...para as joias reluzentes do deserto. 

Um ousado microbiquíni com lantejoulas não era o traje que Rachel Donnelly queria estar usando para conhecer o sheik Karim al Safir.
Especialmente por ele ser tão belo... e estar completamente vestido!
Karim não consegue acreditar que aquela é a mãe de seu sobrinho recém descoberto.
Sua inquietação diante da visão do corpo seminu de Rachel é uma ameaça à sua reputação de sheik de coração de pedra, mas ele fará jus a ela para assegurar que o herdeiro do trono seja criado em Alcantar.


Capítulo Um 

Era o tipo de noite que fazia um homem ansiar por cavalgar seu garanhão favorito através do mar de areia do deserto. Céu de seda negra. Estrelas brilhantes como fogueiras. 
Uma lua de marfim lançando um brilho leitoso sobre o infinito mar de areia. Mas não havia um cavalo sob o sheik Karim al Safir.
Não naquela noite. Sua Alteza Real, o príncipe de Alcantar, herdeiro do antigo e honrado trono, estava 15 mil metros acima do deserto, invadindo a escuridão em seu jato particular. 
Um café que esfriava rapidamente estava sobre a pequena mesa ao lado; a pasta de couro, aberta no assento ao lado. Minutos antes, começara a ler seu conteúdo, até que, de repente, pensou: por que diabos? Sabia o que havia na pasta. 
Estudara os papéis inúmeras vezes nas últimas duas semanas e novamente na noite anterior, quando voara das Índias Ocidentais Britânicas em direção ao seu destino final, como se, ao fazer aquilo, conseguisse encontrar algum sentido nas coisas, quando sabia malditamente bem que não encontraria. 
Karim estendeu a mão para o café e o levou aos lábios. Estava gelado, mas bebeu assim mesmo. 
Precisava daquilo. O amargor, a dose de cafeína. Precisava de alguma coisa, Deus sabia, para mantê-lo em movimento. Estava exausto. 
No corpo. Na mente. No espírito. Se pelo menos pudesse ir até a cabine, dizer ao piloto para pousar. Ali. Agora. No deserto abaixo. Loucura, é claro. 
Apenas precisava de alguns momentos da tranquilidade que poderia encontrar se inspirasse profundamente, pelo menos uma vez, o ar do deserto. 
Karim rosnou. A mente estava cheia de pensamentos loucos aquela noite. Não haveria uma sensação de paz naquela terra. Não era o deserto de sua infância. 
Alcantar estava a milhares de quilômetros de distância, seu deserto de dunas gentis que terminava nas águas de cor turquesa do mar Pérsico. O deserto sobre o qual o avião voava terminava nas luzes de neon de Las Vegas. Karim tomou mais um gole do café frio. 
Las Vegas. Estivera lá uma vez. Um conhecido tentara convencê-lo a investir em um hotel em construção. Voara até lá uma manhã e voltara para Nova York à noite. 
Não pusera seu dinheiro no hotel ou melhor, o dinheiro do seu fundo. E jamais voltara a Vegas. Achara a cidade vulgar. Suja. Até seu encanto supervalorizado lhe parecera falso, como uma prostituta barata tentando se fazer passar por uma cortesã cara com camadas extras de maquiagem. 
Assim, não. Las Vegas não era para ele, mas parecia que fora para seu irmão. Rami passara quase três meses lá, mais tempo do que em qualquer outro lugar nos últimos anos. 
Fora atraído para ela como uma mariposa pela luz de uma chama. Karim se recostou no assento de couro. 
Depois de descobrir tudo o que agora sabia sobre o irmão, não se surpreendia. Finalmente tivera que enfrentar a verdade sobre ele.
Amarrar as pontas soltas do fim da vida do irmão morto acabara com suas últimas ilusões.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Dueto Poder e Desejo

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
1-MAIS QUE UMA AVENTURA
Kim Lawrence



Uma pacata noite em Manhattan se transforma em um tórrido encontro quando Luca O'Haqan se vê sozinho com a bela assistente de seu irmão.

Ele é incapaz de ignorar a atração que sente por ela, e precisa possuí-la... Alice não consegue evitar se envolver com o poderoso e sexy Luca.

Contudo, quando ele propõe um casamento de conveniência, ela recusa, sabendo que não poderá ter seu amor.
Mas suas vidas estão prestes a mudar... quando Alice descobrir que está grávida...

Capítulo Um

A mãe agradecida estava histérica: do tipo que chamava enorme atenção.
Certamente chamara a atenção das pessoas que faziam compras, dos turistas e dos frequentadores habituais daquela congestionada região de Nova York, em um ensolarado fim de tarde.
Uma enorme multidão estava se reunindo para ouvi-la expressar sua chorosa gratidão ao homem que salvara a vida de seu bebê.
O "bebê" em questão reclamou com truculência que não era um bebê, que tinha quase 5 anos de idade, e chutou a perna do homem que o retirara das garras da morte.
O sorriso fixo de Luca ficou tenso enquanto segurava o menino que, mesmo depois da proximidade com a morte, ainda não fizera a ligação entre perigo e tráfego em movimento.
Enquanto o monstrinho gritava e tentava mordê-lo, Luca se perguntava qual era exatamente a alegria de ser pai; de onde estava, não parecia muito óbvia.
Gostava de crianças e, naturalmente, não seria preciso dizer que filho dele não tentaria morder pessoas, mas não sentia nenhum impulso primitivo de sair dali imediatamente para procriar.
Não que isso já fosse uma preocupação.
Apesar da reputação de rebelde, Luca, na verdade, tinha visões bastante tradicionais e, em sua agenda, casamento e filhos eram um pacote único.
Embora a questão fosse apenas teórica, já que no estágio atual de sua vida ainda não tinha encontrado uma mulher com quem gostaria de passar o restante de sua vida.
Como tinha sangue irlandês e italiano misturado, Luca sempre soube que um de seus deveres principais na vida era encontrar uma boa esposa e produzir bebês... mas sem pressão!
O fato de ter chegado aos 30 anos sem fazer nenhuma das duas coisas era motivo de grande aborrecimento para seus pais, além de seus avós, tias, tios e primos.
A resposta de Luca, sempre que seu estado de solteiro era mencionado, era lembrar que tinha um irmão mais velho que poderia perpetuar o nome da família.
Claramente, este objetivo era o dever do primogênito, e Roman tinha... 32 anos?

DOWNLOAD









2- CORAÇÃO DE PEDRA
Abby Green


Há seis meses, Caleb Cameron pensou ter descoberto o plano de Maggie Holland para seduzi-lo... e arruiná-lo.

Mas ela estava sendo manipulada pelo padrasto, e acabou se apaixonando por Caleb. Ele, no entanto, jamais queria vê-la novamente.
Após a morte do padrasto, porém, Maggie fica sem nada.

Agora, para completar sua vingança e satisfazer seu desejo, Caleb lhe fará uma irrecusável proposta: que ela se torne sua amante por dois meses!

Capítulo Um

Dublin,
— Temos apenas que nos encontrar com o sr. Murphy, e então tudo terminará.
No banco traseiro do carro, enquanto deixavam o cemitério, Maggie tomou a mão da mãe nas dela, preocupada com a palidez de seu rosto. A mãe respirou tremulamente.
— Querida, acho que não consigo suportar isso... realmente não posso...
Maggie apertou-lhe a mão para confortá-la enquanto os olhos da mãe se enchiam de lágrimas e a boca tremia.
— Não estou triste... não é terrível? Estou tão aliviada por ele finalmente ter desaparecido; quando penso no que suportei por todos esses anos, como eu poderia...
— Shh, mamãe, não pense nisso agora. Acabou, ele nunca mais vai nos ferir de novo. Estamos livres.
O coração dela doeu ao ver a desolação nos olhos da mãe, as linhas no rosto, os cabelos sem vida penteados para trás.
Fora antes uma bela, vibrante mulher.
O motivo por que Tom Holland a quisera após a morte prematura de seu pai.
Tom fora patologicamente ciumento do primo.
Naqueles dias, como uma jovem viúva na Irlanda, sem nada a não ser a casa deixada para ela e para a filha pequena, a mãe de Maggie estava vulnerável.
Quando Tom prometera cuidar dela se casasse com ele, pensara que estava fazendo o melhor para si e sua filha.
Foi apenas depois do casamento que a crueldade dele se manifestara e, numa sociedade conservadora, em que o divórcio só fora instituído há pouco, sua mãe ficara efetivamente presa ao casamento. Até agora.
— Escute, você não precisa assistir à leitura do testamento; de qualquer maneira, será apenas uma questão de rotina, já que ele deixou tudo para você.
— Oh, querida, você realmente acha isso? Se eu pudesse pelo menos ter um pouco de descanso...
Pouco tempo depois, o carro saiu da estrada principal na pequena aldeia nos arredores de Dublin e atravessou os portões de uma grande e acolhedora casa de campo. Maggie respirou profundamente, sentindo-se reconfortada.
A primeira visão da casa através das árvores que se alinhavam ao longo da curta alameda jamais deixava de lhe dar ânimo.
Era o lar de sua família... seu pai e sua mãe.
Tinha sido a única coisa em que o padrasto não pusera as mãos.
Uma ligação com os dias felizes, as lembranças que sabia terem ajudado a mãe a atravessar os tempos difíceis.
Fora para cá que ela e a mãe haviam se mudado seis meses atrás, depois que... mesmo agora, não conseguia pensar naquela noite.

DOWNLOAD