Mostrando postagens com marcador Brenda Joyce. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brenda Joyce. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Doce Proposta

ROMANCE CONTEMPORÂNEO


Uma bela mulher, uma herança a caminho. 

E um homem decidido a conquistar ambas!
Jason Westmoreland desejou Bella Bostwick desde o momento em que a vira. E também as terras que ela herdara. Com uma proposta oportuna, ele poderia tê-la na cama e sua herança nas mãos. Para isso, Bella teria apenas que dizer “sim”. Um casamento de conveniência não estava nos planos dela quando chegou a Denver. 
Mas logo descobriria que se tornar amante de Jason faria esse acordo valer à pena.

Capítulo Um

— Boa noite. Eu sou Jason Westmoreland, e queria dar-lhe as boas-vindas a Denver.
Antes mesmo de Bella Bostwick se virar, o som daquela voz profunda e masculina a fez arrepiar-se de cima abaixo. Então, uma vez diante dele, ergueu o rosto para deparar com seus olhos, e teve de se obrigar a respirar. Ali estava o homem mais elegante que já vira.
Por um momento, Bella foi incapaz de falar ou de controlar os olhos, que decidiram passear pelo corpo dele, usufruindo de tudo o que encontraram pelo caminho.
Jason Westmoreland era alto, media mais de 1,80m, e tinha os olhos castanho-escuros, as maçãs do rosto bem marcadas e o queixo reto. Era impossível que houvesse algo mais atraente do que aqueles lábios magníficos. E carnudos. E sensuais.
Muito bem, ele era um Westmoreland, e como estavam em um baile da Fundação Westmoreland, Bella concluiu que ele fosse um desses Westmoreland.
Apertou a mão que ele lhe estendia e, assim que o fez, faíscas de calor percorreram-lhe as costas.
— E eu sou Elizabeth Bostwick, mas prefiro que me tratem por Bella.
James esboçou um grande sorriso, suficientemente bonito para fazer com que o sangue de Bella fervesse nas veias.
— Olá, Bella.
A forma como pronunciou seu nome pareceu a ela assustadoramente atraente. Bella julgou o sorriso dele inebriante e sem dúvida contagiante, razão pela qual não lhe custou fazer o mesmo.
— Olá, Jason.
— Antes de mais, quero que aceite os meus pêsames pela morte do seu avô.
— Obrigada.
— E espero que ambos possamos conversar sobre a propriedade que você acaba de herdar. Se decidir vendê-la, gostaria de fazer uma proposta que inclua tanto o rancho como Hercules.
Bella inspirou com força. Seu avô, Herman Bostwick, falecera no mês anterior e lhe deixara suas terras e um garanhão muito apreciado. Ela vira o cavalo quando veio à cidade para a leitura do testamento, e tinha de admitir que era lindo. Chegara na véspera a Denver, vinda de Savannah, para resolver mais trâmites legais relacionados com a propriedade de Herman.
— Ainda não decidi o que vou fazer com o rancho nem com o gado, mas se vender, levarei em conta seu interesse. Ainda assim, tenho de avisar que, segundo meu tio Kenneth, há outras pessoas interessadas.
— Sim, imagino. — Jason mal terminou a frase quando o tio de Bella apareceu de repente ao seu lado.
— Westmoreland.
— Sr. Bostwick.
Bella percebeu de imediato que havia rivalidade entre os dois, que se tornou mais óbvia quando seu tio disse em tom cortante:
— Está na hora de irmos embora, Bella.
— Irmos embora? Mas acabamos de chegar, tio Kenneth.
O tio sorriu-lhe e agarrou-a pelo braço.
— Sim, querida, mas você chegou ontem à cidade e tem estado muito ocupada resolvendo assuntos de negócios.
Com uma sobrancelha arqueada ela olhou para o tio-avô, de cuja existência tomara conhecimento havia apenas umas semanas.
— Boa noite, Westmoreland. Vou levar minha sobrinha para casa.
Bella mal pôde se despedir do anfitrião antes que seu tio a conduzisse até a porta. Conforme avançavam para a saída, não conseguiu evitar se virar para olhar para Jason.
A julgar por sua expressão, ele não gostara da brusquidão de Kenneth. E então Bella o viu voltar a sorrir e não pôde evitar retribuir o sorriso. Estaria ele tentando seduzi-la? Ou era ela quem o seduzia?

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Verdadeiros Amantes

ROMANCE CONTEMPORÂNEO




Só os verdadeiros amantes vencem ressentimentos e conseguem ser felizes... 


A bela americana Lisa estava muito infeliz por participar de um casamento por conveniência. 
Contra sua vontade, viu-se obrigada a acompanhar Julian Connaught até a distante e fria Irlanda. 




No entanto, durante a viagem, Lisa descobre em Julian um homem sedutor, viril... e amargurado, e então decide mudar seu destino. 
Ela sabe que terá de abandonar a inocência e o pudor se quiser conquistar Julian, mas será que ele pretende mesmo esquecer o passado e se apaixonar novamente? 


Capítulo Um 


Era véspera de Natal, e Lisa nunca tinha se sentido tão sozinha e assustada em toda sua vida. 
Ela estava se escondendo de seu noivo, o marquês de Connaught. 
Fugira dele havia dois meses, exatamente na noite de sua festa de noivado. 
Naquele momento, parecera-lhe a melhor decisão a tomar, mas agora estava desesperada e não sabia por quanto tempo ainda poderia continuar daquela maneira, com fome e terrivelmente infeliz e apavorada. 
Lisa tremia de frio. Estava embrulhada em uma manta de pêlo de cabra porque usava apenas um vestido de verão muito leve, de algodão branco, que achara em um dos armários da casa de praia. Quando escapara de seu baile de noivado, fízera-o sem levar nenhuma peça sobressalente de roupa, exceto o vestido de noite que estava usando para a ocasião. 
O vestido de festa, azul-petróleo e bordado com pérolas, fora descartado imediatamente. 
Quando chegara na imensa casa de verão de seus pais, estava terrivelmente frio e o céu parecia ameaçador, sem uma única estrela. 
O vento do lado de fora era cortante e gelado, assim como o interior da casa, mas ela não ousou fazer uma fogueira e nem mesmo acender a lareira, com medo de alertar um habitante local ou um transeunte qualquer sobre sua presença ali. 
Não podia correr o risco de ser descoberta por Julian St. Clare. 
Oh, Deus! Como o detestava! Detestava Julian com toda a força de seu ser. 
Contudo, nem perante toda a atual adversidade deixou que as lágrimas a dominassem. 
Na noite fatídica de sua festa de noivado, chorara tão copiosa e ininterruptamente que duvidava de que al¬gum dia na vida seria capaz de chorar outra vez. 
A traição de Julian fora um golpe, uma calamidade para seu jovem coração e ainda não podia acreditar em quão ingênua tinha sido!
DOWNLOAD

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Série Mestres do Tempo

SOBRENATURAL
1- SEDUÇÃO SOMBRIA





Os guerreiros das Terras Altas Escocesas juraram proteger os inocentes através dos séculos…

Malcolm de Dunroch foi eleito pela Irmandade secreta, uma sociedade anônima de cavalheiros pagãos que juraram defender à humanidade.

É um neófito no que se refere a seus poderes extraordinários.
Mas já rompeu seus votos uma vez, pois uma mulher inocente morreu por sua causa. Malcolm está decidido a lutar contra sua sexualidade sinistra, a negar a si mesmo todo prazer... Até que o destino lhe envia outra inocente, a bonita vendedora de livros Claire Camden.
Desde o assassinato de sua mãe, Claire fez todo o possível para levar uma vida segura em uma cidade onde o perigo espreita em cada esquina, sobretudo durante a noite.
Mas nada podia prepará-la para o poderoso e sensual guerreiro que a arrasta a outra época... Um espantoso mundo cheio de perigo onde os caçadores e as presas são os mesmos. Claire precisa de Malcolm para sobreviver, embora de algum modo deva manter a este perigosamente poderoso Mestre longe.
Pois não deseja morrer em sua cama como as demais... Nas asas de um sombrio e proibido prazer...

Capítulo Um

O Presente

Claire tinha medo da escuridão.
Estava escuro... e algo acabava de cair com um ruído surdo escada abaixo.
Estava de pé no mais absoluto silêncio no dormitório que se encontrava em cima de sua livraria.
Claire vendia livros velhos e estranhos manuscritos, assim como também ocasionalmente volumes únicos de segunda mão, e graças ao inventário de um quarto de milhão de dólares que conservava, tinha um sistema de segurança de tecnologia avançada, uma Taser e uma arma.
Sabia que não tinha deixado uma janela aberta, embora a cidade em julho fosse sufocante, de todos os modos nunca deixaria uma janela aberta.
Era muito perigoso. A delinquência na cidade estava descontrolada.
O mês passado, sua vizinha, uma aspirante a modelo, tinha sido assassinada, e embora a polícia não o dissesse, suspeitava que tivesse sido um crime por prazer. Esforçou-se por saber os detalhes, duvidando se agarrar sua Beretta da gaveta que ficava ao lado da cama.
Mas já não ouvia nada. Enquanto permanecia ali de pé, vestida com boxer de listras multicoloridas de algodão e uma camiseta de tricô fina, seu dormitório parecia como se um tornado tivesse circulado por ele, o gato de rua que tinha aparecido mais cedo nesse dia vagava fora no corredor.
O alívio a encheu. O gato estava atrás de algo!
Não deveria ter suspeitado o pior, depois de tudo, os sensores de detecção de movimento não dispararam, mas inclusive depois de todos esses anos, detestava estar sozinha de noite.
Aterrorizada, a menina ficou agachada perto da porta, enquanto uma sombra escura, sepulcral perambulava por aí.
Claire franziu o cenho diante do bonito gato negro, negando-se a permitir que um só pensamento sobre o assassinato de sua mãe, depois de tanto tempo, invadisse agora sua consciência.
—Você! Deveria ter sido alimentado agora, certo?
Ronronando, o gato se deslizou entre seus tornozelos, esfregando-se sensualmente.
Claire lhe recolheu, era a primeira vez que o tinha feito assim, lhe segurando fortemente contra seu peito.—Patife. — sussurrou. — Necessito um cão, não um gato, mas se não soubesse que alguém ia sentir sua falta, ficaria contigo.
A criatura atrevida realmente lambeu seu rosto.
Claire limpou o queixo, deixando cair o gato ao chão, sabendo que teria que pegar alguns pôsteres de “Procura-se” pela sua vizinhança em Tribeca , antes de ir para o aeroporto amanhã.
Estava no meio do processo de fazer as malas para umas longas e atrasadas férias. Amanhã, estaria caminho de Edimburgo, e na sexta-feira conduziria através das Highlands.
Desta vez, sua primeira parada seria a ilha de Mull, de beleza austera.
O entusiasmo a encheu. O gato havia-se posto cômodo na cama, e Claire se afastou para voltar para sua bagagem.
Foi para sua antiga cômoda, comprada em uma viagem anterior ao estrangeiro, em Lisboa. Viajava constantemente por seu negócio.
Sorrindo enquanto jogava seu escuro cabelo castanho avermelhado sobre seu ombro, tirou um montão de camisetas de alças e de meia-manga.
Tinha vinte e oito anos, logo seriam vinte e nove, e administrava um negócio extraordinariamente próspero, com a metade deste direcionado a Internet.
Desde sua graduação em Princeton, com uma pós-graduação em história Medieval Europeia, havia tirado exatamente dois períodos de férias por assuntos pessoais. Primeiro foi a Londres e fez um circuito por Cornwall e o País de Gales.
No último momento um amigo lhe havia dito que tinha que passar uns dias na Escócia, e embora não fosse uma criatura impulsiva — Claire gostava do ter tudo controlado. —, tinha mudado seu itinerário um dia antes de partir para poder fazê-lo assim.
No momento em que passou Berwick-upon-Tweed , um estranho entusiasmo a tinha enchido.
Amou a Escócia imediatamente.
Quase parecia que tinha chegado em casa.





Série Mestres do Tempo
1- Sedução Sombria
2- Rival Sombrio
3- Abraço Sombrio
4- Vitória Sombria
5- Amante Sombrio
Série Concluída


Baixe em Séries