Mostrando postagens com marcador Anos Roubados. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Anos Roubados. Mostrar todas as postagens

sábado, 4 de dezembro de 2010

Anos Roubados

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Fiona Hood-Stewart








A Empolgaqnte saga de duas fmílias entre a Guerra e a Paz,Eentre o Amor e o Ódio!

Nos campos de batalha da Primeira Guerra Mundial, os gêmeos Angus e Gavin se separaram em um dos momentos mais terríveis, que mudaria a vida de ambos para sempre. Acreditando que o irmão estivesse morto, Angus ocupou seu lugar na família e casou-se com a noiva dele.
No entanto, Gavin sobrevivera. Julgando-se traído pelo irmão, ele criou uma nova identidade nos Estados Unidos e durante décadas de guerra e turbulência, paz e prosperidade, acalentou um amargo desejo de vingança.
O destino voltaria a unir os dois irmãos de uma maneira absolutamente imprevisível. Porém, o futuro dos filhos de ambos ficaria marcado pelos pecados dos pais. E, já no limiar de outro século, o segredo que governou tantas vidas finalmente seria revelado.

Primeira Guerra Mundial (1914-1918)
O assassinato do arquiduque austríaco Francisco Ferdinando em Sarajevo, na Sérvia (28/6/1914), é o estopim da Primeira Guerra Mundial, cujos principais protagonistas são a Grã-Bretanha, França, Rússia (até mar./1918), Japão, Sérvia, Romênia, Itália (a partir de 1915) e EUA (a partir de 1917) contra a Alemanha, Império Austro-Húngaro e Império Otomano.

Com absoluta certeza, há de haver um lugar no qual as doces relações de intimidade aqui iniciadas continuem e os corações partidos pela guerra possam ser curados.
Vera Britain - A Testament of Youth.

Capítulo Um

Edimburgo, Escócia, 1917

Pé ante pé, ela avançou pelo corredor gelado. Na penumbra, esperou até que os passos da enfermeira-chefe se perdessem.
Exceto por ocasionais gemidos, o pavilhão médico estava mergulhado no silêncio.
A longa sucessão de camas metálicas, com pintura branca descascada, se recortava ao reflexo da lua que brilhava lá fora.
Tirando partido da ausência da chefe, Flora Finlay sentou-se numa das poucas e desconfortáveis cadeiras que o lugar oferecia.
Tomou cuidado para não amassar o uniforme engomado. Lançou um olhar sorrateiro para a porta e finalmente abriu a carta que lhe pesava no bolso desde o começo daquela manhã.
À medida que a caligrafia precisa de Angus MacLeod desenhou uma mensagem diante de seus olhos, Flora abdicou da sensação de desapontamento, aceitando o fato de que qualquer notícia era melhor do que nenhuma.
Ela segurou a folha de papel debaixo do facho que vinha da única lâmpada acesa. Sorriu, pois a escrita de Angus imediatamente lhe recordou a Sra. Linton, a velha governanta que, vezes sem conta, havia comparado a precária caligrafia de Flora e de Gavin com a letra perfeita de Angus.
Depois de percorrer o texto rapidamente, Flora concentrou-se, cheia de esperança, no final da carta.
Atitude tola, mas compulsiva.
Por que Gavin não escrevia um recado, mesmo curto, de próprio punho, em vez mandar vagas mensagens por intermédio do irmão gêmeo? Isso era típico de Gavin, ela reconheceu com um suspiro. Não podia esperar que fosse diferente, quando era dessa maneira que o amava.