Mostrando postagens com marcador Acordo Inacabado. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Acordo Inacabado. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Acordo Inacabado

ROMANCE CONTEMPORÂNEO



Uma dívida sensual!

O bilionário Dio Ruiz tinha apenas dois propósitos ao se casar: concluir seu plano de vingança e possuir a estonteante Lucy Bishop.  

Contudo, na noite de núpcias, ele encontrou sua cama completamente vazia. 
Lucy passou dois anos fazendo o papel da esposa perfeita em público enquanto, entre quatro paredes, vivia em guerra com Dio. 
Agora, ela quer o divórcio. 
Porém, a liberdade tem um preço… Será que Lucy aceitará passar dez dias realizando todos os desejos sensuais de seu marido?
Capítulo Um

Divorcio. Algo que acontecia com os outros; com pessoas que não se importavam com o próprio casamento; que não compreendiam que o casamento devia ser cultivado, cuidado, tratado com a delicadeza que se dedica a um objeto de fina porcelana.
De qualquer modo, essa sempre fora a maneira de Lucy pensar, e ela ficava imaginando como acabara de pé ali nesse momento, em uma das mais suntuosas residências de Londres, esperando que seu marido voltasse para casa a fim de falar sobre o divórcio.
Fitou o relógio de pulso incrustado de brilhantes e seu estômago se apertou. Dio estaria de volta em meia hora. Ela não se lembrava de onde ele passara a última semana e meia. Nova York? Paris? Mantinham residências nessas duas cidades. Ou, quem sabe, ele estivera em sua Villa Mustique. Talvez fora para lá com outra mulher. Com a esposa certamente não fora.
A auto-piedade ameaçou dominá-la e ela deteve essa sensação lançando mão da prática que adquirira com a força do hábito.
Estava casada havia quase um ano e meio, tempo suficiente para se acostumar com o fim de seus sonhos de juventude.
Quando ergueu os olhos viu o próprio reflexo no enorme e moderno espelho feito à mão que dominava a sala de estar super moderna. Ela era delgada feita um junco, o cabelo era longo e liso, de um louro claro que alcançava os ombros. Aos 16 anos chamara a atenção de uma agência e seu pai tentara empurrá-la para a carreira de modelo, porque, afinal, qual o motivo para desperdiçar um rosto bonito? E, segundo ele, as mulheres não eram feitas para nada além de trivialidades...
Porém, Lucy resistira... Estudara matemática e queria ser professora. Entretanto, qual o benefício no final? Que vantagem lhe trouxera seu diploma já que fora terminar... Ali? Nessa casa espaçosa, perambulando pelos cômodos como se fosse um fantasma, e fazendo o papel da anfitriã perfeita? Como se receber as pessoas com perfeição fosse uma carreira para alguém que tinha diploma em matemática!
Lucy mal se reconhecia na mulher em que se tornara. Nessa noite quente de meados de julho, ela estava descansando com um fusô e um top de seda, saltos altos, e algumas jóias discretas de preço elevadíssimo. Transformara-se em uma Esposa Perfeita, com a diferença de que não havia um marido amantíssimo que chegava todos os dias pontualmente às cinco e meia da tarde em casa perguntando o que iriam jantar. Isso teria sido uma melhoria no que ela já tinha... Ou seja, nada.
Ou fora nada. Permitiu-se sorrir de maneira discreta porque as coisas já não eram tão sombrias como antes, sua situação mudara nos dois últimos meses, e ela mantinha esse segredo delicioso, para si mesma.
Compensava todo o tempo que passara vestida como uma boneca cara, administrando as várias propriedades do casal, sorrindo educadamente quando precisava, e presidindo jantares para os grandes e poderosos, ou, pelo menos, os muito ricos.
E agora... Um divórcio a deixaria livre.
Contanto que Dio não fizesse um drama. Embora ela tentasse convencer a si mesma que não havia motivos para ele fazer isso, ainda suava frio diante de tal idéia.
Quando se tratava da selva de pedra, Dio Ruiz era o líder da alcatéia. O macho alfa que agia conforme suas próprias regras. Era o homem mais sexy do mundo e também o mais intimidador.
Contudo, não iria intimidar Lucy. Ela passara os últimos dias repetindo isso para si mesma, desde que se decidira sobre qual caminho tomar...