quinta-feira, 9 de novembro de 2017

A Serviço da Paixão

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Um amor impossível!

O sheik Shazim Al Q'Aqabi fica intrigado ao descobrir que Isla Sinclair fora escolhida para transformar o sonho de seu falecido irmão em realidade. 

Afinal, ele a vira trabalhando como dançarina em uma boate de Londres. 
Porém, a personalidade enérgica dela era como uma brisa fresca no calor do deserto. 
Em toda a sua vida, Shazim só havia se relacionado com o trabalho. 
Agora, ele está considerando uma forma mais prazerosa de passar suas noites, mas envolver-se com uma mulher tão inadequada é um ato de traição. Será que ele está disposto a abrir mão de tudo para ficar com Isla?

Capítulo Um

Que infeliz coincidência: uma boate com pole dance bem em frente ao restaurante estrelado pelo guia Michelin onde Shazim estava jantando com seu embaixador. Ele já devia saber o que esperar quando sua equipe reservou a mesa favorita do embaixador para o jantar. Afinal, era o bairro de Soho, em Londres, Inglaterra, onde os clubes de striptease coexistiam alegremente junto a restaurantes de alto nível, mas o embaixador era um velho amigo, e Shazim tinha cedido à vontade do velho de experimentar uma novidade. A desvantagem era que o filho do embaixador também estava presente.
Ficar sentado quietinho parecia demais para o rapaz tenso de trinta e poucos anos. As garotas dançando no clube do outro lado da rua tinham captado sua atenção.
Shazim achou terrível não apenas a ausência flagrante de boas maneiras do rapaz, mas algo ainda mais irritante o incomodava. Seja lá o que acontecesse, ele não permitiria que o filho do embaixador molestasse as mulheres de lá.
— O senhor já acabou de comer? — O filho do embaixador olhou para o pai com súplica. — Podemos dar uma passadinha do outro lado da rua?
Ele era como um filhotinho de cachorro tentando se soltar da guia. Shazim teve de agarrar rapidamente um copo que quase caiu no instante em que o rapaz se levantou da mesa em sua pressa para sair do restaurante.
Shazim o alcançou já à porta. Seus seguranças pairavam ali. Com um olhar, ele pediu que seus homens se afastassem.
— Você não está um pouco velho para isso? — Ele meneou o queixo para as janelas tingidas de cor-de-rosa da boate, onde figuras sombrias ondulavam de um lado a outro.
A essa altura, o embaixador havia se juntado a eles, e havia o risco real de um escândalo.
— Vá com ele, Shazim — suplicou o embaixador. — Assegure que ele não vá se meter em encrencas, sim? Por favor? Por mim?
Pedindo a um dos seguranças que escoltasse o estadista mais velho até em casa, ele meteu um maço de notas na mão do maître e acompanhou o filho do embaixador restaurante afora.
Ah, pelo amor de Deus! Isso era ridículo. Sua amiga Chrissie não era exatamente carente no quesito peitos, mas também não era dona de uma bela comissão de frente, incomodou-se Isla enquanto tentava espremer seus seios imensos no biquíni microscópico.
Se alguém tivesse perguntado a Isla a última coisa na Terra que ela gostaria de fazer, certamente seria dançar toda sexy num salão cheio de homens — e havia todos os motivos para tal; mas Chrissie era uma boa amiga e estava enfrentando uma emergência familiar esta noite.
O passado não era capaz de ressurgir e machucá-la, disse a si mesma com veemência, não a menos que ela permitisse, e esta noite não permitiria.
A morte de sua mãe, 18 meses atrás, a abalara imensamente, e o que acontecera logo depois do funeral ainda era capaz de desestruturá-la, mas esta noite era a noite de Chrissie, então ela ia dar continuidade ao trabalho — isso se conseguisse enfiar seus seios no confinamento do tecido. 
Virando-se para lá e para cá, ela mediu o fator de risco de seus seios vazarem para um lado quando ela fosse para o outro. 
Eis a prova viva de que ninguém era capaz de espremer um litro num jarro onde só coubesse meio. Nem podiam transformar uma mulher comum e atarracada numa sílfide sensual do dia para a noite. 
Isla era uma aluna realista no departamento de ciências veterinárias. Longe de fazer o tipo deslumbrante, ela geralmente tinha sujeira de origens indescritíveis sob as unhas.
Olhando pelo lado positivo, a roupa era linda. Ela adorava um bocadinho de brilho, e o biquíni era de um rosa intenso e lindamente decorado com continhas de cristal e lantejoulas. Ficaria fantástico em Chrissie, assim como em qualquer mulher com estrutura normal, mas nas formas avantajadas e pesadas de Isla?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oiiiiii...Não vai sair sem deixar um comentário vai?
Aqui é seu canal compartilhando a leitura...Conte para nós o que achou do último livro que leu ou lendo, livros que está afins de ler, comente o que desejar sobre o blog, os livros, só não vale detonar revisões e sim agradeçam as revisoras que fazem com carinho a leitura chegar à vocês!
bjs, Jenna e Carla