quarta-feira, 12 de abril de 2017

Amante da Vingança

ROMANCE CONTEMPORÂNEO


O diamante mais precioso!

Cruz Delgado não é mais o menino que cresceu nas ruas. 

Agora ele é dono de um império de diamantes e possui quase tudo o que deseja. 
A aristocrata Sabrina Bancroft foi a única mulher que ousou abandoná-lo. 
E Cruz encontra a oportunidade perfeita de se vingar quando fica sabendo que ela perderá a propriedade da família. 
Cruz está decidido a ajudá-la… se Sabrina aceitar ser sua amante. 
Contudo, descobrir o motivo pelo qual ela o deixara mudará para sempre a vida desse poderoso magnata!

Capítulo Um

O honorável Hugo Ffaulks, com dois efes, estava bêbado, vomitando num vaso. E não era um vaso qualquer, percebeu Sabrina, irritada. Era um vaso de porcelana inglês do século XVIII, avaliado em 1.500 libras esterlinas.
Na atual crise financeira de Sabrina, ela precisava de cada centavo, e vender aquele vaso ao menos lhe permitiria pagar os salários dos funcionários e do ferrador de cavalos.
Ela franziu o cenho. Se ao menos os cavalos não precisassem de ferraduras novas a cada seis semanas... O custo do ferrador, das contas de veterinários, de ração e feno significava que Monty estava se tornando uma despesa que ela não conseguiria justificar. Um vendedor de cavalos garantira que ela conseguiria um bom preço por um puro-sangue de 7 anos, mas a ideia de vender Monty era insuportável.
Ela voltou sua atenção para Hugo, que se apoiava num dos outros convidados da festa, tentando cambalear na direção do bar.
— Leve-o para a cozinha e dê café puro para ele — falou Sabrina para o amigo de Hugo. Ela desejou poder telefonar para o brigadeiro Ffaulks e lhe pedir para vir buscar seu filho, mas os pais de Hugo haviam pagado a ela uma quantia considerável para organizar a festa de 21 anos dele em Eversleigh Hall. Hugo e cinquenta amigos dele tinham chegado na noite anterior e passariam o fim de semana ali, praticando tiro e pescando no lago particular.
Abrir Eversleigh Hall para casamentos e festas fora a única maneira que Sabrina encontrara para pagar os imensos custos operacionais da mansão até o retorno de seu pai. Se ele retornasse. Ela deixou imediatamente de lado seus medos em relação ao conde e sorriu para o idoso mordomo que atravessava rigidamente a sala de visitas.
— É melhor eu pegar um esfregão e limpar a sujeira, srta. Sabrina.
— Deixe comigo, John. Não quero que você limpe a bagunça dos meus convidados. — Sabrina não conseguiu disfarçar o tom melancólico em sua voz. O mordomo sabia que ela detestava ver Eversleigh Hall ser tratado daquela maneira por Hugo e seus amigos, que se comportavam como animais. E isso era uma ofensa aos animais, pensou ela ao ver uma convidada acendendo um cigarro. — Quantas vezes preciso repetir que não é permitido fumar dentro da casa? — resmungou ela.
— Eu acompanho a jovem até o jardim — murmurou John. — Há uma visita, srta. Sabrina. Faz alguns minutos que o sr. Delgado chegou.
Ela ficou rígida.
— Delgado? Tem certeza?
— Absoluta. Arriscaria dizer que é um cavalheiro estrangeiro. Ele disse que queria falar sobre o conde Bancroft.
— Meu pai!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oiiiiii...Não vai sair sem deixar um comentário vai?
Aqui é seu canal compartilhando a leitura...Conte para nós o que achou do último livro que leu ou lendo, livros que está afins de ler, comente o que desejar sobre o blog, os livros, só não vale detonar revisões e sim agradeçam as revisoras que fazem com carinho a leitura chegar à vocês!
bjs, Jenna e Carla