sábado, 25 de março de 2017

O Sorriso de um Playboy

ROMANCE CONTEMPORÂNEO

Paixão imprevisível!

O magnata Pete Bennett adora o jogo da conquista. 

Ele jamais se apaixona pelas mulheres que leva para a cama. São elas que acabam se envolvendo… e Pete as deixa para trás. 
Ainda assim, sob o sol escaldante do verão grego, a doce Serena não consegue resistir ao brilho do pecado nos olhos dele e se rende ao desejo que a domina. 
Logo, esse caso passageiro fica mais quente do que ambos poderiam imaginar. 
Um mês depois, Pete sabe que chegara o momento de ir embora. Então por que está tão relutante em abandonar Serena?

Capítulo Um

Havia muito a ser dito a respeito do fato de passar um dia sentada sob um guarda-sol de praia listrado de azul e branco numa pequena ilha grega. Serena Comino, todavia, vinha se sentando debaixo deste mesmo guarda-sol todos os dias, durante cinco meses... alugando motos de cinquenta cilindradas para turistas... e não havia muito mais a ser dito sobre isso.
A vista nunca mudava, por mais gloriosa que fosse. Os rostos dos turistas mudavam com cada balsa que ancorava, mas seus desejos permaneciam os mesmos. Molhar-se, deitar-se numa praia, alugar uma Vespa, comer... Nada nunca mudava.
Cinco meses. Apenas mais um para que ela retornasse à Austrália e ao braço grego-australiano da família, ou melhor, para que não voltasse para o seio da família. Serena recostou-se na cadeira bamba até que as duas pernas frontais saíssem do chão, os olhos sombreados por óculos escuros, a cabeça inclinada em direção ao céu azul além do guarda-sol. Talvez o cenário tivesse se tornado mais interessante nos últimos cinco minutos. Uma nuvem passando, um pássaro, um avião.
O Super-homem.
Não.
— Quem sugeriu isto? — murmurou ela.
— Seu pai — disse uma voz divertida vindo da direção do velho campo de golfe atrás dela. O campo começava na extremidade do vilarejo e serpenteava a vertente, passando o chalé branco de seus avós e seguindo estrada acima, onde Serena e as Vespas passavam a maior parte do dia.
— Triste, mas verdade. — Ela virou a cabeça num movimento mínimo e ofereceu um sorriso para Nico, seu primo por parte de pai, o que significava o lado grego. Os detalhes não importavam, eles eram parentes. E era a vez deles de cuidar de seus avós de 82 anos. Não que eles precisassem de cuidados, pois ambos tinham uma saúde notável. A verdade era que ela e Nico estavam lá para dirigir o empreendimento profissional que Pappou recusava-se a entregar. O trabalho diário de Nico começava às 4h da manhã, na embarcação de pesca, e terminava por volta da hora do almoço. Serena começava às 9h, acabava às 17h ou 18h, e seu trabalho não envolvia peixe. Ela ainda achava que tinha o melhor negócio.
— Já é hora do almoço?
— Se você usasse um relógio, saberia.
— Eu não posso mais usar um relógio — respondeu ela. — Certa vez, quando eu tinha lugares para ir e coisas para fazer, usava relógio. Agora, isso é muito deprimente. O que há para o almoço?
— Salada grega, lula cozida e baklava de pistache de Gigia.
Certo, então havia algumas vantagens em pequenas ilhas gregas, afinal de contas. Ela se sentou ereta, as duas pernas frontais da cadeira batendo na areia, e olhou ao redor para ver por que Nico não tomara seu lugar usual na cadeira ao seu lado.
Ele não estava sozinho. Um homem alto de cabelo preto se encontrava ao lado dele, com o corpo de um deus e um sorriso que faria qualquer mulher olhar duas vezes. Serena olhou apenas uma, mas compensou isso se demorando na observação. Não era o Super-homem, decidiu. O Super-homem tinha o maxilar quadrado e era elegante. Impecável.
Este homem era o que acontecia quando Super-homem dava um passeio com seu lado selvagem.
— Você voa? — perguntou ela para ele.
— Sim.
— Eu sabia. Mulheres podem sentir essas coisas.
— Do que ela está falando? — indagou ele a Nico. Tinha uma linda voz. Profunda. Sonhadora. Divertida. Australiana.
— Isso importa?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oiiiiii...Não vai sair sem deixar um comentário vai?
Aqui é seu canal compartilhando a leitura...Conte para nós o que achou do último livro que leu ou lendo, livros que está afins de ler, comente o que desejar sobre o blog, os livros, só não vale detonar revisões e sim agradeçam as revisoras que fazem com carinho a leitura chegar à vocês!
bjs, Jenna e Carla