domingo, 20 de abril de 2014

Mordido pelo Cupido

Série Família Argeneau 













Com suas próprias vidas em jogo, o amor era a última coisa em suas mentes. mas logo foram mordidos pelo Cupido...

Uma vampira audaz acredita que pode conquistar tudo, mas quando está emparelhada com um detetive mortal, ela encontrará sua vida - e seu coração - em grande perigo...
No dia de São Valentin, algumas mulheres querem rosas. mas algumas só querem passar o dia com vida. 

Em mordido pelo Cupido, a reconhecida autora Lynsay Sands apresenta uma história de desejos perigosos, onde ceder à tentação pode ser mortal e até mesmo a imortalidade não te manterá a salvo do arco do Cupido.
11-  O Caçador Imortal
12-  O Caçador Renegado
12,5 - Mordido pelo Cupido
13-  Nascido para morder 
13,5- Vampire Valentine
14 - Faminto por voce
15-  Vampiro Relutante
Arquivo na Biblioteca 10-11-12-13-14-15 foram
substituídos por revisados.
Série Concluída

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Livro da Semana



Boa noiteeeeee e e ee e e e e e e ...

Pessoal e Pessoas ... 

Esta semana tem ... F E R I A D O S S S S S

Meu povo mulheril mais fofo e calado do universo ... vcs sabiam que esta semana teve o dia do beijo ??? Alguém aqui pelo amor de Deus, beijou na boca ??? Ou ficou na "icezone" igual a pessoa que vos escreve / fala ??? 

Mas enfim ... azar no amor, sorte no jogo, e no meu caso, azar no jogo do amor se é que me entendem...

Ovos de Páscoa é o assunto mais falado destes últimos dias, hoje mesmo fui comprar hoje e posso dizer ... Para o ano que vem ... Vou precisar ganhar na mega sena da virada, sozinha para ser milionária... Pois se for pra continuar na mesma vida deste ano ... Sei não viu !!! 
Ohhh coisa cara ... penso em fazer como tenho sido aconselhada :

       
Viram ??? Alguém por aí se habilita nesta jornada ? hahahahahahahahahhahah

O que vocês vão fazer nestes dias de folga heim gente ?? eu vou descansar ... ler ... descansar ... ler ... dormir ... descansar ... ler ... e por aí vai se é que me entendem hahahahahaha ... Brincadeira ... quem me dera ... Almoço de família ... com certeza vou ser explorada ahahahah ... Mas vale à pena ... Família é um bem por demais valioso ... (Mas que eu vou ler .... ahhh eu vou !!!!)

Gente eu amo ler livros de romances históricos, e hoje vi em um site algo que me chamou a atenção, quem aqui (por favor me respondam) já leu um livro de romance histórico onde a mocinha possui um cartão de baile onde ela escreve o nome de rapazes para dançarem as músicas da festa ?
Ahhh sempre achei este pequeno objeto algo muito singelo e fofo rs ... e hoje pude encontrar alguns deles, artigos de colecionares ... segue abaixo as imagens que me deixaram até emocionada ... e viajei ... meu pensamento foi longe ... em Londres ... onde Duques, Viscondes, Condes, Marqueses e Cavalheiros muitas vezes disputavam uma dança da moça mais bela do baile .... (Sempre achei que nasci na época errada rs)...

Gentessss !!!! Olhem que mimosos que eles são:




Mas vamos ao que interessa ... o livro da semana ... eu já li, e pelas visitas ... acho que muita gente por aqui também já leu. Posso dizer que me apaixonei pelo mocinho, criado para ser um guerreiro, não se permitia sentir emoções, traumatizado por uma infância marcante e difícil. Mocinha que também teve uma infância complicada, e que fugia do amor como o diabo da cruz. O primeiro encontro deles é um pouco nervoso. Confesso que em algumas partes achei que autora corria nas conversas, mas no geral, eu gostei bastante do livro, não costumo gostar de livros de sheiks, mas este me cativou, no quesito originalidade achei nota 10, pois ainda não havia lido algo parecido ... Poxa .. quase eu solto um spoiler ahahhaah...

Aconselho quem ainda não leu ... que leia ... é curtinho ..

E o Livro da Semana é:

                          
Gente agora quero compartilhar com vocês um momento fofura rsss...

Há um tempo atrás conheci pelo mundo virtual uma pessoa maravilhosa, mulher, trabalhadeira, ocupada por demais, esposa, irmã, filha, blogueira, leitora de romances históricos ... e para mim ... AMIGA.
Ela é uma pessoa por demais especial ... E hoje quero homenageá-la por ser extraordinariamente sincera e compreensiva ...
Temos muitaaasss coisas em comum... até nossos aniversários são bem próximos (diferença de apenas um dia). E em um determinado dia ela me deu um voto de confiança ... e é por este voto que hoje tenho a honra de postar neste blog, então ... já sabem quem estou falando ??
Siiiimmmm isso mesmo ... Jenna ... 


Jenna, obrigada por sua amizade ...

                                       

Beijooossssss à todos !!! 

Seriam 

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Legado do Deserto

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Série Herdeiros Secretos de Homens Poderosos










Sayid Al Kadar foi treinado para ser um guerreiro, mas não estava destinado a governar...

Obrigado a governar, Sheikh Sayid ficou surpreso ao descobrir a criança que era o verdadeiro herdeiro do trono de seu país, e decidiu fazer todo o possível para protegê-lo, mesmo que isso significasse se casar com a tia da criança!
Chloe James se comportava como uma tigresa protegendo seu filhote, mas Sayid foi capaz de encontrar o seu ponto fraco.
Tomar Chloe como esposa ajudou a acalmar o seu povo, e também se entregar a com a intensa atração entre eles...


Capítulo Um

Sayid AL Kadar observou a rua vazia e ergueu a gola do sobretudo para proteger a nuca da chuva. Considerava insuportável o chuvisco constante de Portland, as ruas asfaltadas, calçadas de pedra, os edifícios que se erguiam para o céu. Sufocavam-no. 
Sentia-se numa prisão de vidro, aço e pedra. Não era o lugar para um homem como ele nem para o herdeiro do trono de Attar. 
E, no entanto, de acordo com as informações que conseguira nas últimas 24 horas, era ali que o herdeiro estava. No momento em que encontrara os documentos no cofre secreto do irmão, sentira-se impelido a descobrir se o filho de Rashid havia sobrevivido. 
Alik não apenas confirmara que o bebê vivia, mas também encontrara seu paradeiro em tempo recorde. A rapidez e eficiência do amigo não surpreenderam Sayid. 
Alik jamais fracassava. Sayid atravessou a rua exatamente quando uma mulher se aproximava do edifício de apartamentos para onde se dirigia. 
Ele sorriu para ela, usando deliberadamente o charme que enterrava havia muito tempo. Funcionou. Ela digitou o código, então manteve a porta aberta para ele, o sorriso amplo e convidativo. Não estava procurando aquele tipo de convite. 
Dirigiu-se para um elevador diferente do que ela havia escolhido e apertou o botão do último andar. Sentia-se fora de lugar ali e, no entanto, estar longe do palácio lhe dava algum alívio. 
O queixo endureceu enquanto o elevador subia a tensão lhe enrijecendo os músculos a ponto de sentir dor quando as portas se abriram. O corredor estreito tinha rachaduras no piso e nas paredes. A umidade enchia o ar, penetrava em suas roupas, sua pele. Outro efeito colateral do clima desagradável. 
Um edifício velho e decadente. Lembrava-lhe uma cela de prisão. Nunca tivera motivo para viajar para os Estados Unidos. Seu lugar era em Attar, na amplitude do deserto. Mas agora seus deveres o mantinham preso ao palácio, que lhe parecia tão estranho como este lugar. 
Desde que desembarcara de seu jato particular, ficara impressionado com a constante umidade. Um frio que penetrava em tudo lhe congelava os ossos. Ou talvez o frio não fosse devido ao clima. 
Para ser honesto, tinha que admitir que sentira o mesmo frio em mais de seis semanas. Desde que o mundo virara de cabeça para baixo com a morte do irmão e da cunhada. E agora isso. A criança. Um de seus objetivos na vida era evitar crianças, bebês em particular. 
No entanto, não podia ficar indiferente a aquela. Parou diante da porta com o número 13 e bateu. Não se lembrava da última vez em que precisara bater a uma porta. 
— Só um segundo. Ouviu o som de uma coisa se quebrando, uma praga e o choro alto de um bebê, então passos. Alguém se encostava à porta. Certamente verificando quem era pelo olho mágico. E, nesse caso, duvidava que ela o deixasse entrar. Tinha que esperar. 
Alguma coisa que também nunca fizera, pelo menos não fora de uma situação de combate. Percebeu que não pretendia abri-la depois de vê-lo pelo olho mágico. 
Mas Chloe James não poderia se esconder dele.


Série Herdeiros Secretos de Homens Poderosos
1- Legado do Deserto

Conflito de Desejos

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Série Filhas do Poder









Ela tentou ficar longe dele...

Cara Cranshaw, relações públicas da Casa Branca, desconfia que o repórter Max Gray a quer só porque não pode tê-la.
O trabalho deles torna um relacionamento bastante complicado e, agora que o presidente tomou posse, impossível.
Para Max, o que eles têm é apenas um caso.
Talvez ela seja mais uma em sua longa lista de conquistas. Mas para Cara é algo diferente.
Ela já entregou seu coração para ele. E logo terá seu filho...

Capítulo Um

Era noite de inauguração em Washington D.C., e Cara Cranshaw precisava escolher entre seu presidente e seu amante. Um entrava triunfantemente no salão de festas, ovacionado pelos 800 convidados. 
O segundo olhava ousadamente para ela do outro lado do recinto, seu farto e indomável cabelo escuro caindo sobre a testa, a gravata-borboleta levemente torta, e seus olhos telegrafando a mensagem de que ele a queria nua. 
Por ora, era o repórter investigativo Max Gray que prendia a atenção dela. Apesar de estar determinada a deixar para trás o relacionamento deles, ela não conseguia parar de olhá-lo, nem impedir que sua mão fosse automaticamente para o abdômen dele. 
Max, contudo, estava fora dos limites agora que Ted Morrow assumira a presidência. 
– Senhoras e senhores – falou o mestre de cerimônias ao microfone. 
– O presidente dos Estados Unidos. 
A ovação se transformou num rugido. A banda tocou mais alto, e a multidão abriu caminho para o presidente Morrow. Cara controlou sua expressão, lutando para ser determinada. Não poderia permitir que Max visse a confusão e o alarme que ela vinha sentindo desde que fora a uma consulta médica naquela tarde. 
– Ele está atrasado! – O grito de Sandy Haniford soou agudo no ouvido de Cara. 
Sandy era recém-contratada da assessoria de imprensa da Casa Branca, onde Cara trabalhava como relações-públicas. 
– Só alguns minutos – respondeu Cara, ainda olhando para Max. Determinação, disse a si mesma. 
A gravidez inesperada podia ter virado seu mundo de ponta-cabeça, mas não mudava seu trabalho naquela noite. Nem sua responsabilidade em relação ao presidente. 
– Eu estava esperando que o presidente fosse chegar um pouco cedo – continuou Sandy. 
– Temos um orador para acrescentar. Cara virou a cabeça. 
– Como é? – Outro orador. 
– Você não pode fazer isso. 
– Já fiz – disse Sandy. 
– Desfaça. 
Os oradores, especialmente em eventos realizados por organizações não muito amistosas ao presidente, tinham sido vetados com semanas de antecedência. O American News Service não apoiava o presidente Morrow, mas o baile da rede de TV a cabo era uma tradição. Então, ele não tivera escolha a não ser aparecer ali. 
Seriam apenas 30 minutos. O baile dos militares viria em seguida, e o presidente deixara claro que queria chegar a tempo de saudar as tropas. 
– O que quer que eu faça? – perguntou Sandy. – Que eu dê uma rasteira no cara quando ele chegar ao microfone? 
– Você devia ter resolvido o problema antes de chegar a esse ponto. – Cara pegou o telefone para falar com sua chefe, a secretária de imprensa da Casa Branca, Lynn Larson.
 




Série Filhas do Poder
1 - Conflito de Desejos
2 - Diplomacia do Amor

Diplomacia do Amor

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Série Filhas do Poder


Um escândalo prestes a estourar. 

Depois que seu último namorado partiu seu coração e a engravidou, Rowena Tate desistiu de se expor demais na sociedade. 
Mas não ficou imune ao charme britânico de Colin Middlebury, cujas habilidades excediam seus conhecimentos sobre política.
Como diplomata, Colin precisa lidar com uma série de exigências, mas nenhuma se assemelha ao pedido do senador Tate: cortejar sua filha e trazê-la de volta a vida social. 
Colin precisa do apoio do senador, e se aproximar da bela Rowena não será um sacrifício. 
Afinal, além de internacionais, as relações também podem ser íntimas...


Capítulo Um

Rowena Tate se apegou ao pouco de paciência que ainda lhe restava quando a assistente pessoal de seu pai, Margaret Wellington, avisou: 
– Ele mandou dizer que está vindo. 
– E…? – perguntou Rowena. 
– Só isso – falou Margaret, mas, pela voz dela, Rowena soube que estava escondendo alguma coisa. 
– Você mente pior do que eu. Margaret suspirou. 
– Ele me mandou pedir para você se comportar. 
Rowena respirou fundo para se acalmar. Naquela manhã, seu pai lhe informara por e-mail que levaria um convidado para conhecer a creche. Ele exigira 
– não pedira, pois o grande senador Tate jamais pedia nada – que tudo estivesse em ordem. 
Insinuara, não pela primeira vez desde que ela assumira a administração daquele projeto pessoal dele, que Rowena ainda era impulsiva, irresponsável e inepta. Ela olhou pela janela de sua sala para as crianças no playground. 
O céu estava ensolarado, e a temperatura estava a uns agradáveis 20 graus, basicamente o normal para o sul da Califórnia em fevereiro. Rowena podia estar com o pior humor do mundo, mas ver as crianças brincando sempre a fazia sorrir. 
Antes de ter seu filho, Dylan, ela não se interessara muito por crianças. Agora, já não conseguia mais imaginar uma profissão mais gratificante. E sabia que, se não tomasse cuidado, seu pai também lhe privaria daquilo. 
– Ele nunca vai confiar em mim, vai? 
– Ele deixou você no comando. 
– Sim, mas, depois de três meses, continua me vigiando atentamente. Às vezes, acho que ele quer que eu fracasse, só para poder dizer “eu avisei”. 
– Não é verdade. Ele ama você, Row. Só não sabe como demonstrar. 
Tendo sido assistente do pai dela por 15 anos, Margaret era como um parente e uma das poucas pessoas que compreendiam o complicado relacionamento entre Rowena e o pai. 
Margaret já trabalhava com eles desde antes de a mãe de Rowena, Amelia, causar um incrível escândalo ao fugir com o protegido do senador. E as pessoas ainda se perguntavam por que Rowena era tão estranha… Era, lembrou Rowena a si mesma. 
– Quem é desta vez? – perguntou a Margaret. 
– Um diplomata britânico. Só sei que ele quer que seu pai apoie um acordo tecnológico com o Reino Unido. E acho que tem algum título de nobreza. O senador devia ter adorado aquilo. 
– Obrigada pelo aviso. 
– Boa sorte, querida.




Série Filhas do Poder
1 - Conflito de Desejos
2 - Diplomacia do Amor

Guerreiro do Deserto

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Série Dominados Pelo Desejo 





"Entrou desprotegida na cova do leão, princesa?"

Para Layla, princesa de Tazkhan, seu casamento arranjado tem apenas um significado: uma vida inteira de crueldade e prisão.
A perspectiva é tão insuportável que ela decide recorrer à piedade do sheik Raz Al Zahki, o maior inimigo da sua família!
Ele exige apenas uma coisa em troca de sua proteção: Layla deverá se tornar sua rainha!
A liberdade dela pode estar assegurada, mas agora seu coração está em risco, pois Layla logo se perde no calor escaldante da cama nupcial.
Será preciso mais do que fogo para derreter o coração de seu marido...

Capítulo Um


“Existem apenas três coisas que os persas ensinam aos filhos entre os 5 e os 20 anos de idade: a montar, a usar o arco e a falar a verdade” Histórias, Heródoto; historiador grego (484-425 a.C.) 
— Shh, não faça barulho. — Layla cobriu a boca da irmã.
— Eles estão chegando. Não podem nos encontrar. 
As cortinas de veludo dos aposentos podiam não ser o esconderijo ideal, mas ela sabia que era o mais seguro. Ninguém pensaria em procurar as princesas no quarto do pai — nem mesmo no dia em que ele morrera —, porque elas sempre tinham sido proibidas de entrar ali. 
Layla quisera ter certeza de que o homem que dizia ser seu pai estava morto e que não cometeria mais nenhuma maldade com ela e sua irmã. As duas haviam se escondido atrás das cortinas e ouvido seu último suspiro. 
Ele não expressara arrependimento por uma vida desperdiçada. Não quisera ver as filhas e não lhes deixara sequer uma mensagem para compensar os anos de negligência ou se desculpar pelas ofensas que cometera. Apenas praticara mais uma maldade, que selaria o destino de Layla para sempre. 
— Hassan deve se casar com Layla. Só assim o povo o aceitará como governante de Tazkhan. 
Ouvindo passos, Layla apertou a mão sobre a boca da irmã mais nova. Sua testa roçava a cortina, e ela inalava poeira. 
Desorientada pela escuridão, mantinha-se paralisada, sabendo que qualquer movimento poderia revelar a presença das duas. Ela percebeu que várias pessoas entravam no quarto. 
— Procuramos por todo o palácio. Elas não foram encontradas. 
— Não podem ter desaparecido. — disse Hassan, primo de seu pai, com sua voz áspera e bem conhecida. Logo ele se tornaria seu noivo. Com mais de 60 anos, Hassan tinha uma sede de poder ainda maior que a de seu pai.
Horrorizada, Layla percebeu que o seu futuro seria mais negro que o vão por detrás das cortinas. 
— Nós as encontraremos, Hassan. 
— Em poucas horas, vocês irão me chamar de Excelência. — retrucou Hassan. 
— É melhor encontrá-las. Procurem na biblioteca. A mais velha sempre está lá. A mais moça é muito independente. Vamos mandá-la para os Estados Unidos, onde será esquecida. Logo, o povo não se lembrará dela. O meu casamento com a mais velha será celebrado antes do amanhecer. Felizmente, como ela é mais contida e submissa, não irá discutir. 
Ele nem sabia seu nome e o que ela achava, Layla pensou desanimada. Ela era a “mais velha”, a “submissa”. Duvidava que ele a notasse ou que se importasse com o que ela queria. Exatamente como seu pai. A única pessoa que se importava com ela era sua irmã mais nova, sua amiga, sua família. 
Saber que Yasmin seria mandada para os Estados Unidos intensificava o horror do que estava acontecendo. De toda a situação, o pior que poderia acontecer seria perder sua irmã. 
— Por que apressar o casamento? 
— Porque sabemos que, assim que souber da morte do velho sheik, ele irá aparecer. — respondeu Hassan. “Ele irá aparecer.”






Série Dominados Pelo Desejo
1 - Guerreiro do Deserto
2 - Enigma do Amor

Enigma do Amor

ROMANCE CONTEMPORÂNEO
Série Dominados Pelo Desejo










Caindo na própria armadilha.

Miller Jacobs não tem medo de trabalho duro, pois sabe que o sucesso profissional nem sempre vem fácil.
Mas seu faro para os negócios não a ajudará a solucionar seu problema mais recente: encontrar um namorado falso para uma viagem de fim de semana com seu chefe!
Valentino Ventura, um ás das pistas de corrida, é o oposto dela.
Ainda assim, ajudar a controlada Miller a soltar seu cabelo — e o que mais ela desejar — é uma tentação irresistível...
Especialmente quando Tino desmonta a pose austera de Miller e descobre uma mulher mais excitante que seu carro mais potente!

Capítulo Um

Se houvesse justiça nesse mundo, a solução perfeita para a crise sem precedentes que Miller Jacobs estava atravessando surgiria por entre as portas duplas de vidro do bar fuleiro em que ela estava, em Sydney, usando um belo terno e munida de uma personalidade mais bela ainda. 
Aquele, definitivamente, não era o caso do prepotente banqueiro sentado à sua frente, junto a uma pequena mesa de madeira, e que, provavelmente, já deveria ter parado de beber há pelo menos duas horas. 
— E então, mocinha sexy, que favor é esse que você quer de mim? 
Miller tentou não se contorcer diante da evidente embriaguez daquele homem e se voltou para a sua amiga íntima, Ruby Clarkson, com um sorriso que dizia algo como: “De onde você tirou a ideia de que esse imbecil poderia se fazer passar por meu namorado, no fim de semana que vem?” Ruby arqueou uma sobrancelha e fez o que somente uma mulher realmente bonita poderia fazer. 
Enfeitiçou o banqueiro com um sorriso estonteante e lhe disse para dar o fora. Não literalmente, é claro, já que era bem possível que ela viesse a ter que trabalhar com ele, no futuro. 
Miller deu um suspiro de alívio ao vê-lo desaparecer, cambaleante, em meio ao bar, lotado e mal iluminado. 
— Ele parecia perfeito, no papel — disse Ruby. 
— A maioria dos homens parece — disse Miller. 
— É só quando os conhecemos pessoalmente que os problemas começam. 
— Não seja tão negativa. 
Miller arqueou as sobrancelhas. Tinha boas razões para estar sendo negativa. 
Havia acabado de perder uma hora de que não podia dispor, tomando um vinho branco que não serviria nem mesmo para cozinhar, e não tinha chegado nem perto de encontrar uma solução para o seu problema. 
Havia mentido ao seu chefe, dizendo ter um namorado que adoraria acompanhá-la no fim de semana que eles passariam na casa de um importante cliente em potencial — bastante arrogante, por sinal —, tratando de negócios. 
TJ Lyons era gordo, autoritário e repulsivo e havia interpretado os seus sinais de “desinteresse” como uma espécie de desafio pessoal. 
Aparentemente, havia dito a Dexter, o chefe de Miller, que sua imagem fria e profissional escondia uma mulher de sangue quente implorando para ser libertada e que ele estava determinado a incluí-la no seu “rol de potrancas” Miller estremeceu só de se lembrar daquela frase. 
O homem era um porco chauvinista, enfadonho, e usava um chapéu Akubra como se fosse a versão australiana de JR Ewing. 
Ele a havia desafiado a levar o seu “queridinho” à sua festa de 50 anos, onde ela também apresentaria a sua proposta final de negócios a ele, e Miller sorrira docemente e dissera que aquela era uma ideia maravilhosa. 
Resumindo, ela precisava arranjar um homem até a tarde do dia seguinte. Talvez tivesse se apressado ao despachar o bêbado. 
— Tem que haver outra pessoa — disse Ruby. 
— Por que não digo simplesmente que ele está doente? 
— Isso não adiantaria muito. Mesmo que atribua uma falsa doença ao seu namorado de mentirinha, terá que lidar com o seu cliente amoroso durante todo o fim de semana. Miller fez uma careta. 
— Não interprete as intenções de TJ como amorosas. Elas têm uma natureza bem mais devassa.







Série Dominados pelo Desejo
1 - Guerreiro do Deserto
2 - Enigma do Amor
Série Concluída

Apenas Renda-se

ROMANCE CONTEMPORÂNEO









Uma dura batalha...

O Solteiro: Luke Carson, veterinário da cidade.
Ele precisava de uma assistente, e Jillian era exatamente o que Luke queria... E muito mais.
A Noiva: Jillian Daniels queria apenas um emprego, enquanto a maior parte de suas amigas buscava um companheiro.
Luke ficou radiante quando Jillian aceitou trabalhar em sua clínica, principalmente após decidir que ela era a mulher de sua vida.
Só que Jillian era a única moça da cidade que não desejava um marido. 
Como Luke faria para convencer uma senhorita tão teimosa a se tornar sua esposa?

Capítulo Um

Luke Carson pegou a sacola preta com uma das mãos, o chapéu Stetson com a outra e virou-se na direção da porta. Mas o telefone começou a tocar antes que ele pudesse dar o segundo passo. 
Pondo o chapéu na cabeça e jogando as alças da sacola no ombro, ele atendeu. 
— Clínica Veterinária de Jasper Gulch — anunciou. Mal percebia a gota de suor que lhe escorria pelo pescoço porque sua atenção estava voltada para a voz de Butch Brunner, do outro lado da linha. 
— Venha para cá o mais rápido que puder Luke. É o segundo novilho que fica doente esta semana. 
Enquanto Butch falava, Luke olhou para o relógio de pulso e revirou os papéis sobre a mesa. Nunca imaginara que um dia sentiria falta da garota ousada que trabalhara para ele, mas, desde que Brenda deixara-o por um emprego melhor na cidade grande, três meses antes, a desorganização imperava na clínica. 
Ia ser outro dia longo e quente, e eram apenas nove horas da manhã. A falta de chuva não estava melhorando o humor de ninguém, muito menos o dele. 
Um dos fazendeiros da área ligara por volta das quatro horas da madrugada, porque uma vaca entrara em trabalho de parto. Luke seguira direto para lá, sonolento e com a barba por fazer, e não parara desde então. 
— Tudo bem, Butch. Darei uma passada por aí, no caminho para o rancho dos Anderson. 
Ao desligar o telefone, Luke bateu o braço numas pastas empilhadas sobre a mesa e observou uma avalanche de papéis caírem no chão. Colocou a sacola na mesa e abaixou-se para pegar os papéis, praguejando. 
— Com licença — uma mulher que ele nunca vira antes falou da porta, chamando-lhe a atenção. 
— Eu estava passando e... 
Embora usasse apenas short e top curto, parecia cansada e suada. Tinha olhos azuis, um sotaque diferente e evidente sensualidade. Seus cabelos eram ruivos, e vermelhos sempre fora a cor preferida de Luke. 
— Veio por causa do anúncio? — ele perguntou, endireitando-se. Ela observou-o por alguns instantes, como se não tivesse compreendido a pergunta, então respondeu: 
— Vim. Luke olhou para as mãos delicadas, não encontrando nenhum anel que significasse algum compromisso. 
— Sabe datilografar? — indagou. 
— Sei. 
— E organizar arquivos? 
— Organizar arquivos? — ela repetiu. 
— Sabe? 
— Alfabeticamente? Numericamente? Ou por assunto? Luke ia responder, quando o telefone tocou. 
— Quando pode começar? — perguntou. Ela abriu a boca, como se fosse falar, então tornou a fechá-la. 
— Sei que a aparência deste lugar é péssima, mas realmente há um método por detrás da bagunça — ele explicou. 
— O caso é que não tenho tempo para arrumar nada. Não chove há muito tempo, o gado e os cavalos estão agitados, e o outro veterinário fica a quilômetros de distância. Pago bem e estou disposto a aceitar as horas de trabalho que puder me oferecer. Colocou o chapéu na cabeça e fitou-a atentamente. 
— O que me diz? — indagou.

Receita de Uma Paixão

ROMANCE CONTEMPORÂNEO


Pegue um homem sedutor e solteiro por convicção... 

Ray Cusak, o herói da cidade, de espírito aventureiro e coração indomável. Adicione uma mulher dedicada... 
Dra. Molly Fox, uma médica idealista e romântica. Resultado: paixão ã primeira vista! 
Após terminar a faculdade de medicina, Molly foi passar as férias com a família, no interior da Flórida. 
Mas acabou seduzida pelo charme da pequena cidade e pelos provocantes olhos azuis de Ray. Apesar da paixão desenfreada, Molly lutou com todas as forças contra o fascínio desse homem irreverente. 
Afinal, não queria ser apenas mais um nome na imensa lista de conquistas amorosas de Ray Cusak!


Capítulo Um

A rolha da garrafa voou pelos ares, acompanhada por um fio de bebida espumante. 
Ray Cusak meneou a cabeça, desanimado; o barulho desagradável do estouro continuaria a zunir-lhe nos ouvidos pelo resto da noite. 
Uma hora atrás, quando pedira a champanhe ao serviço de quarto, a ideia parecera perfeita. Porém, nesse meio tempo, aquele entusiasmo inicial perdera o vigor, cedendo lugar a uma sensação de desencanto e amargura. 
O gigantesco espelho da suíte, bem defronte à cama, refletia sua imagem com exatidão, tornando-se impossível ignorar as pequenas rugas ao redor dos olhos e da boca. É isso que dava expor-se em demasia ao sol forte da Flórida... Sem falar na ação impiedosa do tempo... 
— Trinta anos... — murmurou, inconformado por fazer aniversário. Voltou a examinar o reflexo, com bastante senso crítico. Para seu conforto, descobriu que as rugas praticamente desapareciam quando sorria. Além disso, os cabelos mantinham o mesmo tom loiro-acinzentado da adolescência, sem nenhum vestígio de fios brancos. 
Pôs a garrafa sobre o criado-mudo e fez uma série de exercícios abdominais. Pelo menos, os músculos continuavam firmes e bem definidos; nada mau para um homem que passava cinco dias e meio por semana dentro de uma farmácia, separando pílulas e frascos. 
Naturalmente, aproveitava todo o tempo livre para velejar ou praticar outros esportes aquáticos. Ficou de costas para o espelho. Qual era seu problema, afinal? Não era do seu feitio ficar deprimido ou sentir pena de si mesmo; era alegre demais para perder tempo com isso. 
Talvez fossem as circunstâncias... Ouvira dizer que muita gente tornava-se séria e introspectiva depois dos trinta.
Trinta anos! Aquela idade poderia parecer insignificante para a maioria das pessoas, mas, para Ray, tinha o peso de um século! Até esse momento, sua postura fora a de um adolescente, aventureiro e espirituoso, que se recusava a aceitar o passar dos anos. Contudo, agora que estava oficialmente no rol dos adultos, sentia que a vida escoava-se por entre os dedos. 
E verdade que não havia motivos para se queixar de nada. Conquistara uma confortável situação financeira, era livre para fazer o que bem quisesse e tinha muitos amigos dedicados. Apesar disso tudo, ainda lhe faltava algo... O problema era que não conseguia descobrir o que era. 
Durante cinco anos, havia se contentado com a vida de empresário em Morgan's Point, uma pequena cidade do interior da Flórida. Nos últimos meses, entretanto, andava ansioso por mudanças. 
Às vezes, surpreendia-se a imaginar o que teria lhe acontecido se não tivesse comprado aquela drogaria, logo depois de concluir a Faculdade de Farmacia-Bioquímica. O fato é que, naquela época, herdara uma quantia razoável do pai e, como não lhe agradava a idéia de se sujeitar a nenhum patrão, investira até seu derradeiro centavo naquele negócio. 
Arrojado, Ray transformara aquela drogaria decadente em uma moderna loja de conveniências, triplicando o faturamento em um piscar de olhos. Contudo, quando os lucros começaram a superar suas expectativas, sentiu a necessidade de buscar' orientação profissional. 
Foi então que contratou uma habilidosa, e muito bonita, consultora financeira. Graças a ela, além de aumentar o patrimônio, também se tornou um investidor astuto. Sim, a sorte estava do seu lado, não podia negar, e jamais perdia tempo preocupando-se com o futuro ou analisando questões metafísicas. 
Vivia o presente, com paixão e intensidade. Entretanto, quando menos esperava, era obrigado a encarar situações que o faziam sentir um vazio na alma.

Doce Vingadora

ROMANCE CONTEMPORÂNEO






O doce sabor da desforra ... Homens!

Mentirosos e traidores que só pensam em sexo!
Indignada, uma mulher se transformou na justiceira Doce Vingadora e castigou alguns dos representantes do sexo masculino com inteligência e coragem.
O detetive Bill Mitchell recebeu a incumbência de descobrir a identidade da Doce Vingadora.
Mas, ao se aproximar de uma das suspeitas, percebeu que teria pela frente um inimigo invencível: a estonteante beleza e o delicioso charme de Jennifer Stowe...

Capítulo Um


Bill Mitchell ergueu os olhos da pasta que estava esvaziando e olhou para a mulher de meia idade, gorducha e sorridente, que entrava em sua sala de aula com a mão estendida para cumprimentá-lo. 
— Sou Joyce McConnell, assistente do reitor. Seja bem-vindo à Faculdade Municipal de Sailor’s Beach. Ele saiu de trás da mesa para apertar-lhe a mão. 
— E eu sou Bill Mitchell — apresentou-se com um sorriso. 
— Mas isso a senhora já adivinhou, não é? Ela deu uma risadinha. 
— Claro. Na verdade, todas as funcionárias estão falando do senhor. Nosso último professor de justiça criminal era um velhote que sofria de úlcera e tinha língua venenosa. Antes que me esqueça, não me chame de "senhora". 
— Só se não me chamar de "senhor". Ela tornou a rir. 
— Está bem. Como eu ia dizendo, nem imagina como é excitante ter um ex-detetive policial no nosso quadro de professores! E de San Francisco! Nem acreditamos em tanta sorte! Sua profissão deve ser cheia de surpresas! 
— É, sim — murmurou Bill polidamente. 
— Outra coisa que deixou todos alvoroçados por aqui foi saber que o prefeito já lhe pediu para cuidar de um caso.
Bill escondeu a surpresa. Falara com o prefeito Delbert Erickson pela manhã. Como a notícia correra tão depressa? Lembrou-se, então, de que aquela era uma cidade pequena, onde não havia segredos. Esse era um fato com o qual teria de acostumar-se. 
— Não se trata de um "caso" — explicou. — Ainda não, pelo menos. 
Joyce meneou a cabeça com vigor, balançando os brincos compridos. 
— Não subestime a Doce Vingadora, Bill. Ele piscou, confuso. 
— Doce Vingadora? 
— É assim que todos a estão chamando — a mulher contou num cochicho. 
— É claro que Delbert não a chamaria de "doce", porque foi um dos primeiros "serviços" dela. Ele o contratou porque tem grande interesse em prendê-la.

Adeus, Solidão

ROMANCE CONTEMPORÂNEO




Um lobo solitário decidido a nunca ser confinado.

Stony vivia sozinho num chalé no meio da mata. E não pretendia se casar. Isso até o dia em que Tess e a filha Rose apareceram.
Apesar de seu propósito de viver só, apaixonou-se perdidamente por Tess.
E teve certeza de que a única maneira de viver uma grande paixão seria deixando de ser um lobo solitário!

Capítulo Um


Stony Carlton deu uma mordida em seu hambúrguer e tentava não prestar atenção à cena que se desenrolava atrás do balcão do Café Buttermilk, entre a garçonete e o cavalheiro que parecia ser o dono do local. 
Mas, para um homem acostumado a resolver os problemas de outras pessoas com sua inteligência — e de vez em quando com uma arma — era quase impossível não ouvir alguma coisa da briga, em especial considerando-se a agitada voz da mulher.
Olhou ao redor, no Café vazio. Ninguém se encontrava lá para ir em auxílio da mulher, exceto ele. Não que se achasse exatamente o protetor do mundo inteiro! 
— Entenda, Bud, já lhe disse que não estou interessada — a mulher insistia. 
— Ora, Tess, só um beijo. 
— Já falei que não. 
— Devia ter um pouco mais de gratidão, pois a deixo sair mais cedo todos os dias. 
— Você me deixa sair cedo porque chego duas horas mais cedo do que os outros empregados — a mulher replicou com uma firmeza que Stony classificou de grande coragem. 
— Sim, eu sei, mas lhe dei um trabalho quando não tinha experiência alguma. 
— Possuo experiência agora, Bud, depois de um ano inteiro aqui. Tenho coisas a fazer em casa. Deixe-me ir...
Stony ouviu sons abafados que sugeriam uma luta. Pôs o hambúrguer sobre a mesa, limpou as mãos num guardanapo de papel, e foi para o balcão. O homem, Bud, segurava a mulher, Tess, contra a parede, e tentava beijá-la. 
— Você aí, Bud — Stony disse. Irritado por ter sido interrompido, Bud gritou: 
— Como? 
— Deixe a moça ir. 
— Saia dessa, homem — Bud protestou. 
— Sinto muito mas não posso. — Foi a resposta de Stony.
— Ah, é? E o que pensa que vai fazer? — Bud resmungou.
Stony pulou para o outro lado do balcão num segundo, como se não houvesse obstáculo algum em seu caminho. Agarrou Bud pelo colarinho e o atirou de encontro à parede, segurando-o lá. 
A garçonete saiu correndo e ficou parada na porta da cozinha, os lindos olhos verdes arregalados de medo. Stony ignorou Bud como se ele fosse um inseto grudado na parede, e virou-se para a moça. 
— Sente-se bem, madame? 
— Sim, obrigada. 
Stony havia ido ao Café Buttermilk provavelmente uma vez por mês no ano anterior, mas nunca prestara atenção à garçonete. Propusera-se ficar longe das mulheres, há dois anos já. 
Por isso não perderia tempo com nenhuma delas, e não quebraria a promessa que fizera a si mesmo. Tess era definitivamente linda, o tipo de mulher difícil de ser esquecida. 
Tinha os cabelos castanhos presos na nuca, mas algumas mechas escapavam em cachos sobre a testa e sobre as orelhas, como se ela tivesse saído da cama de um homem. Os olhos verdes eram amendoados, parecendo os de uma gata. 
O nariz, pequeno e bem-feito; o queixo, delicado. A pele de alabastro dava para concluir que ela não tinha muita vida ao ar livre, pois o sol de Wyoming queimava, mesmo no inverno.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Livro da Semana

E aí meu povo !!!!

Mais uma semana... e lá vamos nós !!!!!

Hoje vamos ter música e livros, tem algo melhor ??
Claro que tem, Música + Livros + Chocolate !!!!


Bem, meninas preciso dizer que semana passada fiquei muito feliz com a participação de vocês nos comentários, do livro da semana ... Ai tão fofo ... nosso Gavin aprendeu à amar e não foi fácil...  hahahahaha (Bem feito pra ele, quem mandou ser teimoso!).

E esta semana, gente do céu, que difícil foi escolher o livro da semana, pensem comigo:


Um livro, mocinho sorri de casamentos (já sei que depois vai aprontar todas fugindo e não vai adiantar)

No outro livro, 3 lindões, para 3 irmãs ... (ai ai ai ... árabes ... são tão... tão ... possessivos)
E no outro um leilão, mas o desinformado mocinho, nem sabia que era leilão de corações ... (o dele e o da mocinha)... Caramba isso num parece uma música ??? ... Eu vou fazer um leilão, quem dá mais pelo meu coração ... aaahahhahaahhaahah
Em outro uma mocinha "dançadeira" e orgulhosa, vai ver que não adianta fugir por aí ...
...
Isso que nem vou citar os outros ...


Não foi fácil, mas vou no que primeiro me encantou ...



Mas antes de tudo, vamos falar de cinema ?



Alguém por aqui assim como a que vos escreve, está roendo as unhas esperando o lançamento do filme "A Culpa é das Estrelas" ? Pouco mais de 2 meses e poderemos assistir o que fizeram de um livro um tanto fofo, um tanto trágico, um tanto meigo, um tanto ... ai ai ai ... Um tanto cheio de lágrimas ...



Sou suspeita nisso ... já li o livro há mais de um ano atrás ... e não voltei à ler ... Não tive coragem ... Mas prometi  que vou reler antes de ir assistir o filme ... quero TODOS os detalhes bem fresquinhos na memória.



Mas passando de meigo para gostosura e aventura ... Levante a mão quem vai assistir "Capitão America - O Soldado Invernal" ?? Já estreia nesta sexta ... Eu quero muitooo ir ... Vamos ver se vai dar certo ...



Esta semana mesmo (de novo fui assistir ao filme 300 - Ascensão de Um Império) e sim vale à pena! Se alguma alma que frequenta por aqui foi assistir, comente !!!




Como vocês já puderam ver, o nosso livro da semana é: 


Isto mesmo ... apenas quando o amor é testado, é o momento que podemos perceber o quanto ele pode nos transformar.
Vamos ler, e depois quero ver os comentários de vocês !!




Espero que curtam as músicas de nossa nova Playlist ... Fiz uma mistura, digamos que bastante eclética. Está um pouco diferente das outras ... tem umas músicas nacionais ... umas latinas ... :D


Então clique aí !!!


                    (Clique na imagem para ouvir)


                                      Beijoooossss

                                  Seriam e Jenna